Rondônia - 23 de junho de 2018
Home / Notícias / Norte / Rondônia / Ariquemes / Ariquemes alcança a meta de cobertura vacinal com cerca de 95%

Ariquemes alcança a meta de cobertura vacinal com cerca de 95%

polio[1]A Prefeitura de Ariquemes, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsau), realizou no período de 15 a 31 de agosto, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite do ano de 2015 e a Campanha Nacional de Multivacinação para Atualização de Caderneta de Vacinação. Dados do sistema de informação do Datasus mostram que o Município atingiu 95,60% de cobertura vacinal, onde foram aplicadas 6.727 doses.

Conforme a secretaria de saúde, a meta era alcançar 95% de efetividade nesta campanha de vacinação das crianças ariquemenses, com idade entre seis meses a cinco anos. No município, o número de crianças a serem vacinadas foi de 7.037.

A prefeitura realizou simultaneamente também a  campanha de multivacinação para a mesma faixa etária. O objetivo, segundo a Semsau, é sempre diminuir os riscos de transmissão das doenças que podem ser evitadas com as vacinas.

Esta foi a 36ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e neste ano comemora-se o 26º ano sem a doença no país, estando livre do poliovírus desde 1990. Para que aconteça a certificação mundial da erradicação desse agente infeccioso, todas as ações devem ser mantidas, portanto a importância desta Campanha que tem como objetivo vacinar indiscriminadamente crianças de seis meses a menores de cinco anos de idade.

O grupo alvo para a campanha de Multivacinação para Atualização do Esquema Vacinal são as crianças menores de cinco anos de idade. Durante o período dessa campanha, foram contabilizadas as doses aplicadas. Deverá ser avaliada a situação vacinal do grupo alvo, para que de forma seletiva proceda-se a atualização da caderneta de vacinação, de acordo com os esquemas preconizados pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Na ocasião, foram ofertadas todas as vacinas do calendário básico de vacinação da criança visando diminuir o risco de transmissão de enfermidades imunopreveníveis, assim como, reduzir as taxas de abandono do esquema vacinal.