Home / Notícias / destaque / O povo morre, mas o assunto é dona Dilma e o seu Cunha!

O povo morre, mas o assunto é dona Dilma e o seu Cunha!

apenas os doisOpinião de Primeira, por Sérgio Pires – Na zona leste, em Porto Velho, uma mãe dormia com suas duas filhas (de  três e seis anos). Três bandidos invadiram a casa pequena e pobre, na madrugada. Encostaram revólveres na cabeça das crianças e roubaram tudo, incluindo o pouco alimento da família para o dia seguinte. Enquanto isso, lá no Congresso, os únicos assuntos são a luta para que dona Dilma não sofra impeachment e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, não seja cassado. No outro extremo do Brasil, na pequena cidade de Novo Hamburgo, uma mulher sai do banco, em plena luz do dia. É pega por três criminosos. Eles fazem uma espécie de loteria da morte com a vítima: Matamos ou não matamos? A mulher desmaia. Sobrevive, mas perde tudo o que tinha na bolsa. Lá pelo Congresso, os únicos assuntos são a salvação da pele de Dona Dilma e seu Eduardo. Em Ouro Preto, aqui em Rondônia, um bandido, em cadeira de rodas, joga ácido na ex mulher e nos seus filhos. Tinha sido denunciado 12 vezes, preso duas vezes e sempre solto. A lei Marinha da Penha é prá inglês ver, porque no Congresso não há temas mais importantes do que salvar dois mandatos.  Em Bauru, São Paulo, dois assaltantes entram numa pequena loja para roubar. Não se contentam só com isso. Quase matam a socos e pontapés mãe e filho, donos do pequeno comercio. Os dois foram presos logo depois, mas em poucos dias estarão soltos. E lá no Congresso? Ah, lá tem coisa mais importante para tratarl

O Brasil está nas mãos do crime. Morrem por dia, assassinadas, mais pessoas do que todas que perecerem no ataque do grupo  terrorista em Paris. Nenhuma comoção, nenhuma histeria, nenhuma solidariedade. O governo brasileiro e o Congresso têm assuntos mais importantes para tratar, do que essa mortandade. Há que se salvar dona Dilma e seu Eduardo. O país? Há! O país que se dane!

 

CRESCIMENTO ASIÁTICO

Os números anunciados do crescimento da economia de Rondônia comprovam que o Estado é, ainda, uma ilha de prosperidade no contexto da triste decadência que estamos vivendo em praticamente todas as regiões do país. Segundo dados ainda não definitivos, Rondônia vai fechar o ano com 6,5% de crescimento. Mais uma vez, graças ao agronegócio, que é o setor que se consolida como o mais importante no contexto do crescimento rondoniense, estamos indo bem. Se o governo federal não atrapalhasse, se não fosse tão ganancioso nos tributos que exige para manter sua obesidade mórbida, nosso crescimento seria ainda maior. Mas, até agora, vamos bem, enquanto o resto do Brasil, no geral, vai mal…

 

PRÉDIO ABANDONADO

Há algumas semanas, a coluna comentou sobre o abandono do prédio da antiga Procuradoria Geral, na avenida Migrantes (BR 319), próximo à sede da Secretaria de Segurança. Todo o tempo se passou e a situação continua idêntica. Por lá, carros estão abandonados e as centrais  de ar condicionado ainda estão nas salas, sem uso. Um morador da Capital, que passa seguidamente pelo local  à noite, diz que tudo o que está lá, atirado, é um convite aos ladrões. E sugeriu que as centrais de ar sejam retiradas e colocadas em escolas, onde os estudantes ainda passam um calor infernal.

 

É PÁ E BOLA!

Já estão se tornando ridículas (seria cômico, não fosse trágico), as ações de empresas que perdem concorrências públicas e que apelam à Justiça, alegando irregularidades na disputa. É coisa simples: pá e bola. Não importa o quanto a obra seja vital para a coletividade, elas são paralisadas por liminares e assim ficam, até decisão definitiva, que pode demorar um ano ou mais. Um exemplo deste momento: todas as obras da Prefeitura no bairro Jardim Eldorado e em outros sete bairros da Capital estão paradas há 90 dias, porque duas empresas conseguiram aval do Judiciário por se sentirem  prejudicadas na concorrência. Que lei é essa, que deixa a os interesses da população população em terceiríssimo plano?

 

ANDREY E A OAB   

Presidente da OAB rondoniense, o reeleito Andrey Cavalcante é o entrevistado do programa Direto ao Ponto, neste sábado. Na conversa com o jornalista e apresentador Sérgio Pires, ele relata seu trabalho à frente da entidade e  fala da grande vitória que teve na eleição desta semana, quando foi reeleito com facilidade para mais um mandato à frente da Ordem. Andrey fala também nos novos planos para os próximos três anos, destacando a preocupação em valorizar cada vez mais o trabalho dos advogados.  A atração da SICTV, vai ao ar neste sábado, 13h20, para todas as emissoras da rede.

 

DOIS DÍGITOS

Há 12 anos não havia uma inflação tão alta. Os números oficiais já chegavam a 10,2  por cento nesta quinta, o que significa que o número real é pelo menos cinco pontos a mais. Os dados divulgados pelo governo nunca batem com a vida real. Qualquer brasileiro, qualquer rondoniense que vá a um mercado, a uma loja, que compre qualquer coisa, sabe que a inflação é bem maior do que a divulgada oficialmente. Em 2003, os números chegaram a 12,5 por cento de alta. Neste ano,  a tendência é de que superem infelizmente, a esse dado que todos nós pensávamos que ficaria no passado. Te coisa pior? Tem sim Vêm í novos aumentos. Do combustível, da energia e muitos outros.

 

PERGUNTINHA

Com todo esse clima negativo e as péssimas notícias da economia, como será que o comércio vai incrementar  as vendas de Natal, a principal data do ano para faturar um pouco mais?

Leia o Blog:   www.opiniaodeprimeira.com.br