Rondônia - 24 de junho de 2018
Home / Notícias / Religião / Estudos de Provérbios / Provérbios 20:28 – Benignidade e verdade guardam o rei, e com benignidade sustém ele o seu trono

Provérbios 20:28 – Benignidade e verdade guardam o rei, e com benignidade sustém ele o seu trono

O serviço secreto pouco pode fazer. A opinião pública, muito menos. Presidentes desejam as duas coisas e geralmente superestimam demais as duas. Benignidade e verdade são os seus dois maiores aliados e preservadores.

Deus ordenou o governo civil e Ele levanta homens para preencherem os postos em cada nação, não importando com o que você pensa (Dn 2:20-22; 4:17; Rm 13:1-7). Como o Governante Supremo do universo, Ele protege ou pune governantes, e este provérbio ensina claramente Seus critérios.

A ciência política é ensinada na Bíblia. Como a Bíblia revela a vontade de Deus, ela revela a Sua vontade a respeito do governo civil. Como Salomão era o rei escrevendo particularmente ao seu filho, ele também abrangeu este assunto pela direção de Deus para o benefício duradouro da nação de Israel.

Todo governante da terra, seja grande ou pequeno, deve se humilhar diante da divina sabedoria deste provérbio. A sua sobrevivência pessoal, a duração do seu tempo no posto, e o futuro de suas nações ou de outras subdivisões políticas depende da benignidade e da verdade deles.

Verdade é aquilo que é correto, especialmente como definido pelo verdadeiro Deus na Bíblia. Verdade é a aplicação consistente da honestidade, integridade, justiça, juízo, equidade, justiça e virtude. A verdade rejeita todas as decepções, desonestidades, mentiras, fraudes, corrupção ou comprometimento.

Misericórdia é compaixão ou perdão para aqueles sob a autoridade dos governantes que não tem o direito de reclamar para receber benignidade nem o poder de se defender da estrita sentença da lei. Misericórdia é benevolência, delicadeza e generosidade para com os ofensores ou os incapazes.

Deus é o Deus da verdade, e Ele espera a verdade de todos os homens, mas especialmente daqueles em posição de mando (Dt 32:4; Êx 18:21; Is 16:5; 59:4,14-15; Jr 5:1; Zc 8:16). Qualquer homem que governa sobre os outros precisa estar totalmente comprometido com a verdade definida por Deus (IISm 23:3).

Deus é um Deus de misericórdia, e Ele espera que todos os homens tenham misericórdia e, em especial, aqueles que estão em posição de governo (Mq 7:18; Êx 34:5-7; Ez 33:11; Lc 15:7; Ef 2:4-7). Qualquer homem que governa sobre os outros deve estar totalmente comprometido com a misericórdia pelos oprimidos (Pv 31:8-9).

Deus preservará um governante, um governo, ou uma nação que exalta a misericórdia e a verdade. Ele destruirá governantes, governos ou nações que se comprometem ou se corrompem, ou praticam as duas coisas. A segurança dos governantes e das nações está bem aqui, não em guarda costas, forças militares ou urnas.

A vida e o reinado de Davi registrado com grandes detalhes na Bíblia, mostrando muitas situações de misericórdia e verdade, para que você não se surpreenda que Deus misericordiosamente o perdoou dos pecados em sua própria vida, porque ele tinha sido misericordioso com outros (Sl 18:25; 41:1-4; 112:4-6).

Davi misericordiosamente perdoou a Abner, o comandante militar do rei Saul que tinha tentado matá-lo (IISm 3:12-21). Entretanto, o sobrinho de Davi matou Abner numa vingança invejosa (IISm 3:22-27). Portanto, Davi, na verdade matou Joabe (IISm 3:28-29; IRs 2:5-6).

Há ocasiões em que a misericórdia parece ser um comprometimento com a verdade, mas a verdade corretamente entendida inclui a misericórdia. Deus pune pecadores, mas é a Sua obra estranha (Is 28:21). Deus é misericordioso para com os pecadores e isto é a Sua alegria (Mq 7:18). A misericórdia se regozija contra o severo juízo (Tg 2:13).

Davi perseguiu com seus 600 homens os amalequitas que tinham levado cativo a sua família, mas 200 tiveram que parar porque estavam muito cansados. Os 400 não consideravam que os 200 teriam direito a qualquer parte do despojo porque, na verdade, eles não a haviam recuperado, mas Davi, misericordiosamente os incluiu na partilha (ISm 30:9-25).

De que maneira Davi comeu o pão sagrado (ISm 21:1-6)? A bem da verdade, o pão da proposição era para ser comido apenas pelos sacerdotes (Lv 24:5-9). Mas Davi sabia que a misericórdia de Deus permitia que ele comesse o pão sagrado (Pv 21:3; Os 6:6). Jesus o exonerou totalmente (Mt 12:3-4).

Mas considere Roboão, o neto de Davi e filho de Salomão. A nação tinha pedido um pouco de misericórdia reduzindo os impostos, mas ele se exagerou com a verdade da autoridade civil, os ameaçou tolamente, e perdeu dez das doze tribos a um concorrente (IRs 12:1-20).

Considere Pilatos, o governador romano. Ele não teve misericórdia nem verdade. Quando interrogava Jesus, ele com ceticismo perguntou, "O que é verdade?" (João 18:38). E quando ele não encontrou crime algum na vida de Jesus, ele O condenou assim mesmo por questões políticas.

Quão misericordiosa é a América do Norte, matando anualmente 1,2 milhões de crianças em gestação? Escolhendo com gastos deficitários e inflação transferir riqueza e confiscar poupanças de acionistas e viúvas? Impingindo penalidades por crueldade a animais enquanto protege assassinos de humanos?

Quão verdadeira é a América, exigindo evolucionismo em suas escolas públicas e excluindo o criacionismo ou o planejamento inteligente? Permitindo que a mídia realize cada evento para promover o humanismo secular ou o darwinismo social? Chamando dois homens ou duas mulheres numa cama um casamento?

Qual será o futuro da América? Deus a lançará no inferno (Sl 9:15-20), e Ele rirá com ironia enquanto estiver agindo (Sl 2:1-12). Ela só chegou a 2013 em sua atual triste condição por causa das orações dos justos que nela moram (Gn 18:23-33; Jr 29:4-7).

Leitor, você pratica a misericórdia e a verdade para a preservação da sua vida, família, negócios e igreja? Todo marido (IPe 3:7), pai (Ef 6:4), empregador (Ef 6:9), e pastor (ITm 5:21), devem praticar as duas coisas, pois elas preservam e mantém todos os governantes.

A verdade é que todos os homens merecem o inferno eterno por causa dos seus pecados, mas a verdadeira justiça de Deus puniu Jesus Cristo ao invés dos Seus eleitos, para que Ele pudesse ter misericórdia sobre eles, mesmo sendo justo Ele não é só justo como justificador, também (Rm 3:26)! Que gloriosa combinação de misericórdia e verdade é encontrada em Jesus Cristo – elas se encontram e se beijam Nele (Sl 85:10; 89:14)!