Rondônia - 16 de agosto de 2018
Home / Notícias / Famosos e Variedades / Thiaguinho e Péricles dizem que não vão se manifestar sobre a volta do ExaltaSamba

Thiaguinho e Péricles dizem que não vão se manifestar sobre a volta do ExaltaSamba

exalta1

Vixe. O grupo Exaltasamba vai voltar aos palcos em 2016. O retorno já tem data: 15 de abril. O local do primeiro show, no entanto, ainda não está confirmado.

Antes disso, os fãs poderão conferir a primeira música de trabalho do novo Exalta. Ela vai começar a tocar nas rádios no dia 1º de março. No ano em que completa 30 anos, o grupo terá pela primeira vez três cantores.

Romero Ribeiro, que foi finalista do “The Voice Brasil” em 2014, será uma das vozes. Ao seu lado, estarão o paulista Nego Branco, de 34 anos, e o carioca Jeffinho, de 21 anos.

Da formação original do ExaltaSamba continuam o percusionista Thell e o cavaquinista Brilhantina. O grupo de pagode chegou ao fim no início de 2012, quando Thiaguinho e Péricles optaram por seguir carreira solo. Pinha, que também era integrante, foi trabalhar na banda de Péricles.

Na época, Thell e Brilhantina deixaram claro em entrevistas que eram contra o fim do ExaltaSamba. Para voltar com o grupo, eles tiveram que entrar na Justiça. Nos tribunais, os músicos conseguiram a autorização para usar a marca já que foram os únicos remanescentes após o abandono de três integrantes.

De acordo com o site EGO, Thiaguinho e Péricles informaram que não vão se manifestar sobre a volta do ExaltaSamba.

No integrante, Romero Ribeiro comemora a oportunidade. “Estou feliz demais! O convite foi uma surpresa muito grande, não esperava. Sempre acompanhei e fui fã, desde a época do Chrigor. A gente corre atrás para ter um espaço, divulga o trabalho, mas não imagina que um dia vai fazer parte de uma história como essa”, diz.

Assim como Romero, Thiaguinho também despontou na mídia após participar de um reality show da Globo, o “Fama”, em 2002. Logo em seguida, surgiu o convite para ele ser vocalista do ExaltaSamba no lugar de Chrigor.

“É um misto de honra e pressão. Mas é uma nova história. Não é uma substituição e, sim, uma missão de manter o nível do que foi feito e continuar evoluindo”, afirma Romero, que também participou do “Ídolos”, em 2010.

Fonte: Adelson Carvalho