Rondônia - 17 de novembro de 2018
Home / Notícias / Esportes / Romário e a eleição para prefeito do Rio

Romário e a eleição para prefeito do Rio

IMG_4688

Rio de Janeiro, RJ – Além de tudo que já noticiou sobre um possível acordo entre o senador Romário e o prefeito carioca Eduardo Paes, até envolvendo suposta conta bancária do ex-craque na Suíça,  há mais.

Há o interesse do América FC, do coração do Baixinho, em destombar sua sede na rua Campos Sales, tombada por Paes em 2011, quando iria a leilão para pagar as dívidas do clube.

O destombamento faz parte do acordo para Romário apoiar o candidato de Paes na próxima eleição, o secretário Pedro Paulo Carvalho, denunciado por ter agredido três vezes a ex-mulher.

A ideia é a de fazer um centro comercial no local, com espaço para a sede do América e receita garantida pelo lucro que o negócio der, com interesse já manifestado por um forte grupo ecônomico.

Romário abriria mão de se candidatar agora à prefeitura, mas seria o vice de Paes, provável candidato ao governo do Rio em 2018.

Caso Paes consiga sair para a presidência da República, Romário deixaria o PSB, iria para o PMDB e se canditaria ao governo do Estado, com o deputado federal Leonardo Picciani como vice ou com o filho do ex-governador Sérgio Cabral, atual secretário de Esportes do governador Pezão, Marco Antônio Cabral.

Até mesmo a estranha contratação de Marco Antônio Teixeira, ex-secretário-geral da CBF, e tio de Ricardo Teixeira, para ser Diretor Executivo do América, tem a ver com tudo isso, dada a necessidade de Romário se sair bem na CPI do Futebol que preside.

O Teixeira tio, como se sabe, foi quem comandou toda a implantação de informática na CBF, vê no clube da Tijuca um meio de retornar ao futebol e é dono de um arquivo mais que valioso.

Léo Almada, 77 anos, presidente do América, rico proprietário de cartórios, não vê a hora de receber de volta todo o dinheiro que já pôs no clube, razão pela qual aceitou a tabelinha com Romário e o centro comercial que o senador ajudaria a trazer.

Em meio a tudo isso, o eterno diretor jurídico da CBF, Carlos Eugênio Lopes, o Carlô, planta na imprensa a falsa notícia de que Romário quer fazer um acordo com a entidade.

Fonte: Uol Esporte