Rondônia - 20 de outubro de 2018
Home / Notícias / Justiça / MP-SP quer apurar cobrança de sacolinhas em SP

MP-SP quer apurar cobrança de sacolinhas em SP

MP-SP que apurar cobrana de sacolinhas em SP

O Ministério Público Estadual (MPE) de São Paulo vai abrir inquérito para investigar a cobrança de sacolinhas pelos estabelecimentos comerciais de São Paulo.

O objetivo dos promotores é investigar o termo assinado entre o Procon e a Apas (Associação Paulista de Supermercados) e verificar se a venda das sacolinhas está gerando lucros aos supermercados, ao invés de favorecer consumidores e o meio ambiente.

Acordo

Em abril, um acordo firmado entre o Procon-SP e a Associação Paulista de Supermercados (Apas) previa o fornecimento gratuito de duas sacolas plásticas durante 60 dias.

Depois desse prazo, os estabelecimentos comerciais começariam a cobrar pelas sacolas pelo preço de custo (entre R$ 0,08 e R$ 0,10).

Segundo o Procon, este valor impediria que a venda das sacolas gerasse lucro.

Ministério Público questiona o acordo

O inquérito civil do Ministério Público de São Paulo foi aberto após pedido feito pelo Instituto Plastivida Sócio Ambiental dos Plásticos e pelo SOS Consumidor. De acordo com Jorge Kaimoti, representante da SOS Consumidor no pedido:

Quando o supermercado diz que não vai dar sacola, ele não tira o preço do material. O Procon tira do consumidor a contraprestação. Quando alguém compra um produto, já está pagando pela sacola”.

O MP quer verificar se o acordo fere o direito do consumidor porque não há ganhos ambientais e a cobrança beneficiaria os supermercados, já que alguns deles comercializam as sacolas.

Lei das Sacolinhas

Criada na gestão Gilberto Kassab e regulamentada pelo prefeito Fernando Haddad, aLei das Sacolinhas não prevê cobrança pelo produto, mas permite a oferta de modelos feitos com material reciclável que podem ser reutilizados para lixo orgânico e coleta seletiva.

Em nota, a assessoria de imprensa do Procon-SP informou que a entidade foi notificada no dia 27 de novembro e que portanto, tem 15 dias, a partir desta data, para se manifestar sobre o assunto.

JurisOffice