Rondônia - 23 de outubro de 2018
Home / Notícias / Norte / Rondônia / Acusado de estuprar criança após culto é condenado em Rondônia

Acusado de estuprar criança após culto é condenado em Rondônia

dsc0738

Cujubim, RO – O homem de 52 anos, acusado de ter estuprado um menino de 9 anos após um culto religioso em Cujubim (RO), no Vale do Jamari, foi condenado a cumprir pena de nove anos de prisão em regime fechado na Casa de Detenção de Ariquemes (RO).

A informação foi divulgada na manhã da última quarta-feira(9), pelo delegado Rodrigo Camargo,  que acompanhou o caso. O crime ocorreu no dia 5 de setembro e, após ser registrado a ocorrência, ele foi preso no dia 15 de setembro.

De acordo com o delegado, na época o homem declarou em depoimento que havia a suspeita de estar com o vírus causador da Aids. “Inicialmente ele se negou a realizar o exame, mas posteriormente se prontificou, até como uma forma de classificá-lo em relação a cela que iria ocupar no presídio e realizou o exame, onde ficou estabelecido o resultado negativo”, declarou.

O estupro só foi descoberto após a criança apresentar dificuldades para se locomover, para a mãe o menino alegou ter caído de bicicleta e ter se machucado. Porém o médico constatou os sinais de abuso sexual após descobrir uma infecção avançada no ânus da criança. Todo o abuso foi praticado sem preservativo.

Durante depoimento, o homem que era amigo da família, relatou que primeiramente teria ligado à mãe e pedido autorização para levar o menino ao culto, mas ela não autorizou. Porém o mesmo se dirigiu até a casa do garoto e afirmou a irmã mais velha de que a mãe havia autorizado a ir à igreja.

Segundo a Polícia Civil, após o culto religioso, o homem levou a criança até a casa onde morava sob a proposta de comer doces, mas ao chegar iniciou os abusos. A forma como o acusado transcreveu todo o ocorrido nos mínimos detalhes intrigou todos os policiais.
Após a conclusão das investigações no inquérito policial, o processo foi encaminhado ao Ministério Público de Rondônia (MP-RO) que propôs a denuncia a Justiça.

Segundo Camargo, o processo, por ser um caso de pedofilia tramitou em segredo de Justiça. “Ele permanece preso e foi condenado a pena mínima de nove anos de prisão”, comentou.

Fonte: Jaru Online