Rondônia - 15 de outubro de 2018
Home / Notícias / Nordeste / Bahia / No auge da carreira, cantor leva tiro em assalto, perde a voz e fica seis meses sem comer e beber

No auge da carreira, cantor leva tiro em assalto, perde a voz e fica seis meses sem comer e beber

3a2ur55uob_7vbou8gwmb_file

Um cantor de axé que estava ganhando asas na carreira musical, na Bahia, sofreu um ataque brutal durante assalto e viu seus sonhos se desmoronarem de uma hora pra outra. Ele levou um tiro na garganta e perdeu seu instrumento de trabalho: a voz.

— Fiquei 30 dias sem andar, usando colar cervical

Para se recuperar, foram nove meses sofridos. Destes, cerca de seis sem comer e beber.

— A fome nem tanto, mas a sede sim. Minha solução era um paninho molhado pra passar na boca!

Este homem é Luciano Santana. Com talento para cantar deste pequeno, ele passou por duas bandas até seguir carreira solo. Dois meses após esta decisão, veio o grande trauma que mudou sua vida

A banda Guig Guinetto, na qual foi vocalista, teve quatro anos de sucesso. Foi nessa época que Luciano ficou conhecido por artistas renomados do estilo como Xandy, Tony Salles e Ivete Sangalo

Era madrugada quando tudo aconteceu. Ele estava saindo de uma festa no Pelourinho e optou pelo caminho mais curto para levar dois amigos pra casa. No caminho, diminuiu a velocidade para passar sobre uma lombada e acabou abordado por três homens.

— Três caras encapuzados colocaram a arma sobre o meu carro e atiraram!

Foram três tiros, sendo que um deles entrou pela garganta e atingiu embaixo do braço do cantor. Ele já havia montado uma equipe técnica e estava prestes a lançar seu CD solo, chamado Swing de Lu

No momento em que foi atingido no pescoço, Luciano tentou falar e acabou vomitando toda a feijoada que havia comido. O médico explicou que o quadro do cantor poderia ser pior se isso não tivesse acontecido.

— A partir do momento que o projétil entrou, eu comecei a passar mal. Literalmente, eu estava sufocado. Aí botei tudo pra fora. Feijão abençoada!

Após nove meses de cirurgias e acompanhamento médico, ele voltou a falar. Mas ainda rouco e mal consegue terminar de cantar uma música inteira, sem falhar a voz.

— Eu começo uma música e fico procurando todas as forças do mundo pra tentar cantar! Eu vou me esganando todo…

O diagnóstico foi de estenose subglótica, um quadro delicado para operações médicas. Mesmo assim, Luciano não quer desistir da carreira artística.

— Vários médicos não se comprometeram em me operar. Eu sofri um trauma e tenho certeza que vou superar tudo isso!

Ao ser analisado por um especialista renomado da área, ele recebeu a notícia de que tem 25% a 30% da respiração comprometida por causa da fissura que a bala causou.

— As cordas vocais tem que vibrar e, de preferência, com simetria. Uma igualzinha a outra. A bala passou por baixo das cordas vocais, mas acabou afetando ou os tecidos em volta ou embaixo da prega vocal esquerda

— A esquerda vibra um pouco menos que a direita. Então, provavelmente, ela fica um pouco mais dura com uma voz mais grave e isso impede que ele consiga esticar a corda vocal suficiente pra chegar no hiper falsetto. A falta de fôlego é a força que ele está fazendo pra compensar essa falha

Por fim, Luciano ouviu o que tanto queria.

— É possível ele ter uma qualidade vocal boa e voltar a cantar, sim. Sem sombra de dúvida!

Fonte: O Nortão