Rondônia - 17 de julho de 2018
Home / Notícias / Norte / Rondônia / Prefeita some para não ser notificada e processo de cassação é adiado outra vez

Prefeita some para não ser notificada e processo de cassação é adiado outra vez

Sonia-Impeachment

Jaru, RO – A Câmara Municipal de Jaru adiou durante a sessão ordinária desta segunda-feira (14) mais uma vez a votação do processo que pode culminar na cassação da prefeita Sonia Cordeiro de Souza (PT). O motivo do adiamento desta vez foi que os vereadores não conseguiram notificar a prefeita, pois ela simplesmente desapareceu da cidade, o que seria uma manobra dela para adiar o julgamento para o próximo ano.

Segundo informações, a assessoria da prefeita teria alegado que ela passou a semana passada em Brasília/DF realizando visita ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

Uma Comissão Especial de Investigação apurou suposta adulteração do Termo de Ajuste de Conduta (TAC) feito pelo Ministério Público de Rondônia quanto ao transporte escolar do Município e já concluiu as investigações do processo, que pode gerar a cassação da chefe do executivo municipal.

Para que a prefeita seja cassada, serão necessários pelo menos 2/3 dos votos, ou seja, dos 15 vereadores é preciso de 10 votos pela cassação.

A Comissão Especial de Investigação, que tem como presidente o vereador José Augusto (PPS), tentou notificar a prefeita, mas não a localizou.

A sessão desta segunda-feira seria a última do ano, mas um requerimento apresentado ao presidente da Câmara, José Cláudio Gomes, o Amarelinho (PSC), foi votado e aprovado adiando o recesso e haverá sessão na próxima segunda-feira (21), inclusive para votar o Orçamento do Município para 2016, que segundo o vereador Jeverson Lima (PMDB), não foi votado por incompetência da atual administração.

Caso a prefeita Sonia Cordeiro seja mesmo cassada, a Câmara Municipal deverá dar posse novamente ao vice-prefeito Inaldo Pedro Alves (PP). Diferentemente do afastamento, a cassação é mais difícil de conseguir na Justiça uma liminar para retornar ao cargo.

Fonte: A noticia mais