Rondônia - 27 de Maio de 2018
Home / Notícias / Norte / Rondônia / Secretaria de Segurança realiza segunda fase da Operação Azougue no rio Madeira em Porto Velho

Secretaria de Segurança realiza segunda fase da Operação Azougue no rio Madeira em Porto Velho

secretaria-de-seguranca-realiza-segunda-fase-da-operacao-azougue-no-rio-madeira-em-porto-velho540x304_83283aicitono_1a6ohkvmr8u1pc41g4d1b7hqk7a

Porto Velho, RO – Para coibir a extração ilegal de ouro na Área de Preservação Ambiental (APA) do rio Madeira, a Secretaria de Estado de Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec) realizou nesta quinta-feira (17) a segunda fase da Operação Azougue, em parceria com as Polícias Militar e Ambiental, além do Exército Brasileiro, Marinha do Brasil, Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sedam), Comando de Operações Especiais (COE) e a Sociedade de Portos e Hidrovias do Estado de Rondônia (Soph). A primeira fase da operação foi realizada em setembro passado.

De acordo com o tenente-coronel, André Luiz Glanert, gerente de Fronteiras da Sesdec, houve pequena mudança na estratégia da primeira fase para a segunda, uma vez que nesta etapa apenas os motores que possibilitam a dragagem do rio serão retirados das embarcações, permitindo que os proprietários permaneçam com suas balsas.

“Os motores serão retirados e ficarão em um depósito da Sesdec, enquanto os condutores serão notificados, multados e responderão por crimes ambientais. Há casos de garimpeiros reincidentes e os valores das multas podem dobrar. Neste trecho até a curva do Belmont é proibida qualquer forma de extração mineral no rio Madeira. Para liberação do garimpo, é preciso ter autorização dos órgãos competentes, definição do perímetro e filiação ao sindicato”, frisou Glanert.

Além de combater a extração ilegal no rio Madeira, a ação pretende também desobstruir o canal de navegação do rio, de forma que o transporte de cargas e passageiros não seja prejudicado pelas balsas. “Ações como essa são necessárias para contribuir com a logística. As balsas de extração causam riscos à navegação, uma vez que podem colidir com as balsas de transporte de combustíveis e derivados, causando uma tragédia de proporções inimagináveis, além dos prejuízos causados ao meio ambiente”, relatou o diretor-presidente da Soph, Leudo Buriti.

Ao todo, cerca de 60 pessoas estão envolvidas na realização desta etapa da operação e até o momento cerca de 13 motores de dragagem foram retirados das balsas.

Fonte: DECOM