Home / Notícias / Brasil / Duque pediu propina para PT quando ‘Serra encostou em Dilma’ nas eleições de 2010, diz delator

Duque pediu propina para PT quando ‘Serra encostou em Dilma’ nas eleições de 2010, diz delator

duque-pediu-propina-para-pt-quando-serra-encostou-em-dilma-nas-eleicoes-de-2010-diz-delator540x304_49283aicitono_1a6qersdt9q3vm619v11iseu9ia

O ex-gerente de Engenharia da Petrobrás Pedro Barusco afirmou em delação premiada que, em 2010, seu superior, o então diretor de Serviços da estatal, Renato Duque, pediu a ele uma propina de US$ 300 mil ‘para a campanha presidencial’. Segundo Barusco, a solicitação foi feita ‘quando Serra encostou em Dilma nas pesquisas’.

Naquele ano, Dilma Roussef (PT) e José Serra (PSDB) disputavam a corrida para o Palácio do Planalto. “O depoente esclarece que no ano de 2010, durante a campanha presidencial, quando Serra encostou em Dilma nas pesquisas, foi solicitado por Renato Duque a intermediar o recebimento de uma contribuição de US$ 300 mil para a campanha de Dilma”, declarou Barusco em depoimento em 26 de novembro de 2014 à força-tarefa da Operação Lava Jato.

A denúncia dedica 5 páginas ao capítulo ‘Contribuição para campanha presidencial de 2010?. Pedro Barusco afirmou que ‘não necessariamente esse depósito ocorreu antes das eleições, porque na verdade o depoente não transferiu US$ 300 mil para a conta de ninguém, simplesmente passando ao PT um crédito em propinas a receber’.

Trechos da delação de Barusco constam da denúncia de 99 páginas do Ministério Público Federal, no Rio, contra 12 alvos da Operação Sangue Negro. A ação que investiga desvios na Petrobrás desde 1997 foi deflagrada nesta quinta-feira, 17.

Renato Duque é alvo de uma das ordens de prisão da Sangue Negro. O executivo já está preso desde março de 2015 em Curitiba, base da Operação Lava Jato. Duque recebeu a mais alta pena imposta pelo juiz federal Sérgio Moro aos investigados no esquema de corrupção instalado na Petrobrás.

A Sangue Negro mira em um esquema de propinas da holandesa SBM na Petrobrás. Foram denunciados por corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas Pedro Barusco, Renato Duque, Paulo Roberto Buarque Carneiro (membro de Comissão de Licitação de diversos FPSOs da Petrobrás), Jorge Luiz Zelada (ex-diretor Internacional da estatal), os ex-agentes de vendas da SBM no Brasil Julio Faerman e Luis Eduardo Campos Barbosa da Silva, além dos executivos da SBM Robert Zubiate, Didier Keller e Tony Mace.

Fonte: Estadão