Rondônia - 24 de Maio de 2018
Home / Notícias / Norte / Rondônia / Ariquemes / Mortandade de peixes no Rio Canaã preocupa população de Ariquemes

Mortandade de peixes no Rio Canaã preocupa população de Ariquemes

mortandade-de-peixes-no-rio-canaa-preocupa-populacao-de-ariquemes540x304_98783aicitono_1a7paemp8neh1m2opgd18or14tcc

Ariquemes, RO – Fiscais da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Ambiental (Sedam) percorreram um trecho do Rio Canaã, próximo a Ariquemes, na manhã da terça-feira (29), para verificar a informação de que haveria uma mortandade de peixes naquela região.

Populares que conversaram com a equipe de reportagem do Rondôniavip, acreditam que a morte dos peixes talvez fosse ocasionada pelos lagos das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) de Santa Cruz, que entraram em operação há pouco tempo no local. Com a represa do curso normal do rio, há o enchimento do reservatório. Quando ele está no limite, há a liberação da água, deixando alguns poços com animais dentro. Com o tempo, falta oxigênio para os peixes respirarem, o que ocasiona a morte deles.

Os fiscais da Sedam apontaram que podem ser diversos fatores que podem ter ocasionado a mortandade dos peixes, entre elas, a pesca predatória ou o nível do Rio Canaã, o que só será comprovado por meio de relatórios e análises da água. “Soubemos da mortandade por meio da própria imprensa e da comunidade do Marechal Rondon. Estivemos no Canaã com duas equipes, uma subindo o rio e a outra vindo da usina pra cá para averiguar a possível mortandade de peixes. Ainda vimos alguns peixes morrendo, mas como o ocorrido foi de sábado para domingo, não vimos peixes na flor d’água. Estamos levantando as hipóteses e faremos um relatório para buscar uma resposta para o que aconteceu. Por isso, podemos imaginar que seja a pesca predatória com o uso de bombas ou produtos para contaminar essa água e facilitar a pesca. Se alguém viu algo nesse sentido, no final de semana, pode ligar no 3535-7534 para fazer uma denúncia anônima ou dar alguma informação que possa nos ajudar. Também pode ser a questão da oxigenação ou do nível da água, mas isso verificaremos direito. Morreram várias espécies. Não é comum morrerem tantas. Não foi só uma espécie”, afirmou um fiscal do órgão que se identificou apenas com o primeiro nome: Hélio.

Fonte: Rondônia Vip