Rondônia - 19 de novembro de 2018
Home / Notícias / Norte / Rondônia / Soterrados pelos impostos, ainda vamos pagar a CPMF!

Soterrados pelos impostos, ainda vamos pagar a CPMF!

soterrados-pelos-impostos-ainda-vamos-pagar-a-cpmf540x304_45093aicitono_1a8b9pc6u15go12f71mnq1nua188aa

A CPMF vem aí! Mesmo com os protestos da grande maioria dos brasileiros, já soterrados por tantos impostos, é certo que a tal “contribuição” fará parte da nossa vida financeira, talvez ainda no primeiro semestre. O governo federal já está agindo em várias frentes para tornar o novo imposto uma realidade. Aliciou prefeitos e governadores, garantindo que boa parte da milionária arrecadação vá para municípios quase quebrados e estados com tantas dívidas, que fazem qualquer coisa para agradar quem lhes pode conceder algum dinheirinho. Os “sem grana” –pressionaram deputados federais e senadores, a maioria dos quais só se elegeu graças ao apoio dos chefes dos governos e dos chefes políticos das comunidades, para que votem a favor do novo tributo. Ou seja, a CPMF, novamente criada para melhorar os investimentos na saúde pública do país, já no batismo terá outra missão: tentar salvar a quebradeira geral que assola a (quase) todos neste país sem rumo.

Rondônia ainda é uma das exceções nessa quebradeira previsível, pela pesada crise econômica que está aí. Estados ricos como Minas Gerais e o Rio Grande do Sul; terras antes promissoras como o Rio de Janeiro e Goiás, isso apenas para dar alguns exemplos, estão quebrados. Não conseguiram sequer terminar o ano pagando o funcionalismo, muito menos seus fornecedores. Só aqui e em um ou dois outros Estados, os servidores receberam seus salários de dezembro e o 13º em dia. Todos os demais estão no vermelho e com tendência a piorar. Dos pouco mais de 5.500 municípios brasileiros, há duas centenas, talvez menos, sobrevivendo no azul. Porto Velho é uma dessas cidades que não estão quebradas. Todo o resto vai de mal a pior. A CPMF virá como salvação, para toda essa gente quebrada. Então, mais uma vez, ai de nós, pobres contribuintes!

O MENOS PIOR

Havia um grupo que queria diminuir o número de vereadores na Capital de 21 para 18. Outro grupo queria o contrário: aumentar para 25. No final das contas, prevaleceu um pouco de bom senso. A Câmara Municipal de Porto Velho continuará com o mesmo número de cadeiras, embora, pela legislação vigente (por incrível que pareça!), pudesse sim aumentar o número de edis. Do jeito que a classe política está desmoralizada e principalmente a Câmara de Vereadores, que pouco mostrou de trabalho importante para a comunidade, nos últimos anos, seria um acinte aumentar alguma coisa. Ficou no menos pior…

CAINDO DE MADURO

A informação ainda não é oficial, mas pode se tornar a qualquer momento: pelo menos o viaduto do Trevo do Roque estaria condenado, porque teria sido construído e fora das normas e poderia até causar uma tragédia, caso fosse utilizado com remendos e consertos. A questão seria eminentemente técnica, inclusive com erros de cálculos e construção completamente sem chance de ser considerada segura. AS base do viaduto estaria condenada e não haveria como recuperar todo o contexto feito de maneira surreal, de tão errada. Claro que ninguém do DNIT confirma nada, porque é hábito desinformar a população. Mas a realidade é essa!

CAETANO E A CRASE

Tem gente que ainda defende a Língua Portuguesa e exige que ela seja usada corretamente, apesar do ex ministro da Educação, Fernando Haddad, hoje prefeito de São Paulo, ter dito à época que “o importante é se fazer entender” . Caetano Veloso deu um puxão de orelhas numa pessoa que escreveu um artigo o homenageando. O título : “Homenagem à Caetano”, com crase. O cantor ficou furioso, avisando que não é mulher. Porque crase NUNCA se usa antes de palavras ou nomes masculinos. Muitos descerebrados, mesmo tendo acesso à escola, acham que ele não entende nada de escrever e que cada um se expressa como achar melhor….

ESPERA SEM FIM

O sistema de agendamento de consultas na Policlínica Osvaldo Cruz está funcionando, no geral. Mas há muitos casos em que os doentes estão esperando até um ano e meio para serem atendidos, o que é um absurdo. Nessa semana, dois usuários do sistema de saúde do Estado, ambos de Porto Velho, protestaram pela longa espera. Uma senhora, de 65 anos, que aguarda ser atendida desde fevereiro do ano passado e outro paciente, esperando há 18 meses. Na semana passada, outro caso preocupante: uma mulher veio de Rolim de Moura, depois de esperar por 90 dias pela consulta. Quando chegou aqui, soube que a médica que deveria atendê-la não tinha ido trabalhar. Não é demais?

FESTA QUE MATA

Não adianta todos os avisos; os tristes exemplos e as vítimas que se acumulam: o uso de fogos de artifício por quem não está apto a fazê-lo é um erro mortal, repetido há décadas nas festas juninas e nas de passagem de ano. Neste ano, em Rondônia, o caso fatal aconteceu na zona rural de Cacoal. Uma mulher foi atingida com estilhaço nas costas, depois que um familiar soltou um desses fogos. Mesmo rapidamente socorrida, ela morreu poucas horas depois. Há registros de vários casos de queimaduras e outros ferimentos. Até quando essa ignorância absurda continuará acontecendo?

PERGUNTINHA

Pela má qualidade do sistema de ar condicionado do aeroporto “internacional” de Porto Velho, em que muitos passageiros ficam suando durante horas, não seria o caso de criar uma sauna para os usuários, enquanto aguardam seus voos?

Fonte: Sérgio Pires