Rondônia - 25 de Maio de 2018
Home / Notícias / Brasil / Inflação estoura o teto da meta em 2015 e chega a 10,67%, é a maior desde de 2002

Inflação estoura o teto da meta em 2015 e chega a 10,67%, é a maior desde de 2002

inflacao-estoura-o-teto-da-meta-em-2015-e-chega-a-10-67-e-a-maior-desde-de-2002540x304_06293aicitono_1a8ggbhslc2g1m671opp1eke10fkc

A inflação oficial no Brasil fechou 2015 em 10,67%, muito acima do limite máximo da meta do governo. O objetivo é manter a alta dos preços em 4,5% ao ano, mas com tolerância de dois pontos percentuais para mais ou para menos, ou seja, podendo oscilar de 2,5% a 6,5%.

É a maior alta de preços anual desde 2002 (12,53%).

Em 2014, a inflação havia sido de 6,41%, dentro do limite máximo.

No mês de dezembro, a inflação desacelerou em relação ao mês anterior (1,01%) ficou em 0,96%.

Os dados do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) foram divulgados nesta sexta-feira (8) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Como a inflação estourou a meta, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, terá que publicar uma carta aberta explicando por que a meta foi descumprida.

Conta de luz e gasolina

Em 2015, o brasileiro passou a pagar mais caro por todos os grupos de produtos e serviços que compõem a inflação oficial.

Os aumentos na conta de luz e no preço dos combustíveis foram os principais responsáveis pela elevada inflação. Juntos, os dois itens representam 24% da alta de preços.

A energia elétrica ficou 51% mais cara, e os combustíveis 21,43%. Em algumas cidades, o aumento foi muito maior. Em São Paulo (SP), por exemplo, a conta de luz subiu 70,97% e, em Curitiba (PR), 69,22%.

Inflação e juros

A inflação alta tem sido uma das principais dores de cabeça para o Banco Central nos últimos anos.

A taxa de juros é um dos instrumentos mais básicos para controle da alta de preços.

Quando os juros sobem, as pessoas tendem a gastar menos e isso faz o preço das mercadorias cair (obedecendo à lei da oferta e procura), o que, em tese, controlaria a inflação.

Na última reunião, o BC manteve a taxa básica de juros, a Selic, em 14,25%, interrompendo uma sequência de sete altas.

Essa taxa de juros é a mais alta desde agosto de 2006, quando ela também estava em 14,25%.

Fonte: Reuters