fbpx
27 C
Porto Velho
terça-feira, 25 junho 2019, 23:43
Site de apostas
Site de apostas

BOMBA, descoberta trapaça da ANVISA, ela não quer liberar cura do câncer pelo Fosfoetanolamina, mas liberou CAELYX

cura




“Anvisa, para de se achar no direito de dizer que desconhece a substância Fosfoetanolamina, porque tu liberou a Fosfoetanolamina suja dentro de um medicamento chamado CAELYX”, afirma o parlamentar do PDT gaúcho, que lidera um movimento para levar para o Rio Grande do Sul a produção e distribuição dos comprimidos de Fosfo para pacientes de câncer.

Marlon cobra das nossas autoridades “vergonha na cara” e menciona a “reserva de mercado” que, segundo ele, procura-sedar a um medicamento estrangeiro caríssimo, enquanto a substância desenvolvida aqui sairia quase de graça.

Veja o vídeo e leia também uma análise aprofundada feita porGiseli dos Santos, coordenadora do grupo “É Seu Direito Saber, É Seu Direito Escolher”, sobre o CAELYX.

ANVISA CONTRADIZ SEUS ARGUMENTOS SOBRE A FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA

(Devaneios entre o CAELYX – a título de exemplo – e a Fosfoetanolamina Sintética)

Trago aqui, apenas para reflexão, a título de exemplo, a bula do medicamento extraída do site da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), autorizado por ela e comercializado no Brasil.

Chama-me a atenção os, já cansativos, argumentos de que a fosfoetanolamina nunca foi testada em seres humanos, pode trazer efeitos colaterais nocivos à saúde, não possui registro na ANVISA, não se sabe a toxicidade e não passou por todas as fases clínicas.

Este texto é bem sucinto, mas para quem quiser pesquisar, há muitas ferramentas disponíveis.

Comecemos pela composição do CAELYX:

00 marlon cay dentro

COMPOSIÇÃO CAELYX ® 20 mg:

Cada frasco-ampola contém 20 mg de cloridrato de doxorrubicinalipossomalpeguilado em 10 mL de suspensão injetável.

Excipientes: fosfatadilcolinade soja completamente hidrogenada(HSPC), sal sódico n-(carbamoil-metoxipolietilenoglicol2000)-1,2-diestearoil-sn-glicero-3-fosfoetanolamina(MPEG-DSPE), colesterol, sulfato de amônio, histidina, sacarose, ácido clorídrico, hidróxido de sódio e água para injetáveis.

Vejamos:

1º ARGUMENTO: a fosfoetanolamina nunca foi testada em seres humanos. Segundo a bula acima, na parte RESULTADOS DE EFICÁCIA, há a menção dos tipos de tumores estudados e o número de pacientes submetidos aos estudos. É certo que o CAELYX não tem em sua composição apenas a fosfoetanolamina, mas é certo, também, que estes pacientes ingeriram fosfoetanolamina nos estudos clínicos, logo, esse primeiro argumento cai por terra.

2º ARGUMENTO: a fosfoetanolamina pode trazer efeitos colaterais desconhecidos e possíveis danos à saúde do paciente. Segundo a bula, os possíveis efeitos colaterais, que não podem ser creditados ao uso da fosfoetanolamina, mas às diversas substâncias que compõem a fórmula são: diversos efeitos colaterais descritos (vide bula) variáveis por tipo de paciente e tipo de tumor. A lista é extensa e devemos levar em consideração que muitos desses efeitos podem decorrer das demais substâncias que compõem o medicamento, além da fosfoetanolamina. Ainda assim, pelo que se depreende da leitura, chega-se à conclusão de que tais efeitos são, de longe, muito mais toleráveis e suportáveis que os quimioterápicos convencionais e os próprios efeitos do câncer sem tratamento algum. Aliás, um detalhe que nos anima é o fato de o efeito MORTE, a que já estão condenados os pacientes terminais, ser um efeito possível, porém, raríssimo. E, outro fato interessante é o fato de este medicamento ter registro na ANVISAapesar de, como descrito na bula, não existir experiência com CAELYX em gestantes e não se saber se esse medicamento é excretado no leite humano, razão pela qual, devido ao potencial de efeitos adversos graves nos lactentes por causa de CAELYX, as mães devem suspender o aleitamento antes de receber esse agente. Aqui abro um parêntese: (Não há testes com gestantes e lactentes, logo, esse não deve ser um argumento contrário ao uso da fosfoetanoamina sintética. – um peso e uma medida. Se para a ANVISA o CAELYX não precisou passar por esse teste, a fosfoetanolamina não poderá cair na vala do esquecimento caso não haja o teste em gestantes e lactentes, não é?).

3º ARGUMENTO: A fosfoetanolamina não possui REGISTRO NA ANVISA. Em sua forma sintetizada pela equipe do Dr. Gilberto OrivaldoChierice, pura e imitando o que o organismo humano produz, realmente não. O registro existe para a fosfoetanolamina, não tão pura quanto a desenvolvida por esses pesquisadores, logo, não entendemos, depois de todo o explanado e o que vem a seguir, o motivo da falta de registro. Não é por falta de testes clínicos, como já demonstrado e nem por desconhecimento de possíveis efeitos colaterais, como descrito acima e tendo em vista que a fosfoetanolamina encontra-se presente no leite materno.

4º ARGUMENTO: Não se sabe qual é a toxicidade da fosfoetanolamina. A ANVISA mesmo responde, ao avalizar a bula acima. Basta lê-la, pois a mesma descreve os testes efetuados em relação à toxicidade em seres humanos.

5º ARGUMENTO: A fosfoetanolamina não passou por todas as fases clínicas. E mais uma vez vem a bula do CAELIX, que leva fosfoetanolamina em sua composição, desmentir tal argumento. É extenso o texto da bula, mas vale a pena estudá-lo.

Só podemos chegar a uma conclusão diante do exposto. O CAELYX foi liberado para venda no Brasil porque seu preço varia de R$ 2.000,00 a R$ 4.000,00 como pode-se ver nos links abaixo:

  • CAELYX 2MG INJ CX FA 10ML MANTECORP
  • CAELYX 2MG INJ FA X 10ML SCHERING-PLOUGH
  • Caelyx 2 Mg/Ml Inj Fa Vd Inc X 10 Ml
  • CAELYX (DOXIL) (PEGILELIPOZOMAL DOKSORUBISINE) 20mg 10ml

Será que um medicamento que tem o custo de R$ 0,10 a cápsula, obtém facilmente o registro? Será que o fabricante do CAELYX, por exemplo, apoiaria esta ideia?

Já sabemos a resposta. Afinal de contas, quem manda nesse País? Eu respondo. Quem manda neste País SOMOS NÓS, embora muitos tenham se esquecido disso. Vamos nos levantar e lutar pela vida com todas as leis, conhecimento, força e união. Não há nada nem ninguém que possa se sobrepor ao PODER DO POVO. Só falta às pessoas voltarem a acreditar em si mesmas e em sua força interior.

Em continuidade a essa breve reflexão, segue PARECER sobre a pesquisa clínica feita com o CAELYX:

Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde. Ainda, decisão judicial em que há menção ao medicamento CAELYX:

Andamento do Processo n. 1008491-42.2014.8.26.0566 do dia 06/04/2015 do DJSP

Para terminar essa breve reflexão, o Parecer favorável da ANVISA sobre o CAELYX:

DIVULGAÇÃO DA SITUAÇÃO DOS PROCESSOS ANALISADOS PELA CÂMARA TÉCNICA DE MEDICAMENTOS – CATEME

Uma última informação: Preço do CAELYX nos EUA: (U$ 38.800,00 – uma única injeção) – veja aqui.

Palavra do pesquisador

Um dos integrantes da equipe que desenvolveu aFosfoetanolamina Sintética, Durvanei Augusto Maria – que é chefe do Laboratório de Bioquímica e Biofísica do Instituto Butantan, em São Paulo, e que tem doutorado em Imunologia pela USP e pelaUniversidade de Paris – foi ouvido a respeito do assunto tratado na reportagem.

Perguntado se, através do Caelyx, independentemente da síntese, a substância Fosfoetanolamina já foi testada em humanos, ao contrário do que dizem autoridades brasileiras, ele respondeu:“Sim, já foi testada. E já está presente em formulações farmacêuticas utilizadas em terapias para tratar doenças em seres humanos.”

O pesquisador acrescentou: “Da mesma forma que acontece com a Fosfoetanolamina Sintética que nós desenvolvemos e que tantos pacientes já usaram nos últimos anos, a Fosfoetanolamina presente no Caelyx, como parte de um composto, também não apresenta efeitos colaterais.”

Quanto à reportagem acima, Durvanei comentou: “Nos argumentos expostos foram relatados todos os pontos, desde a eficácia da Fosfo, o seu uso e aplicações terapêuticas, demonstrando mais uma vez a inexistência dos efeitos colaterais – como temos afirmado nos últimos meses em entrevistas e audiências públicas.”

O pesquisador Marcos Vinícius de Almeida, outro membro da equipe comandada por Gilberto Chierice, também se pronunciou sobre a reportagem: “Entendi a tese e é boa sim. Eles alegaram que ali ela está como agregado em baixas doses, ou quelada ao composto.Trata-se da mesma fosfoetanolamina utilizada em nosso composto (a Fosfoetanolamina Sintética), porém com síntese diferenciada, menos pura e com efeitos colaterais, segundo a bula, que a nossa provavelmente apresentará em menor grau justamente devido à pureza que conseguimos alcançar.

Posição da Anvisa

Encaminhamos a reportagem para a assessoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que se pronunciou através da seguinte Nota:

A Anvisa reafirma que nenhum processo de registro de medicamento de Fosfoetanolamina foi apresentado à Agência para registro.

Há um equívoco nas declarações veiculadas na matéria em relação ao entendimento do papel da Anvisa. A agência reguladora avalia pedidos submetidos a ela, portanto somente poderá avaliar a substância em questão quando este processo for levado à Anvisa.

Outro erro crucial é a suposição da fonte utilizada de que o registro de um medicamento específico é uma aprovação tácita de qualquer outro medicamento com aquela substância. Não é isso que ocorre, cada registro é avaliado a partir dos estudos que o interessado no registro apresenta para a Agência. Isso porque o processo de fabricação, síntese, formulação e uso do produto pode alterar substancialmente os seus resultados. Isto é o que ocorre aqui em em todos os países de referência para o registro de medicamentos no mundo.

Finalmente, não é possível afirmar que se trata da mesma substância. O medicamento apresentado na reportagem traz um formulação que não é fosfoetanolamina. Um princípio ativo isolado é diferente de uma associação de princípios ativos e, portanto, com resultados e até indicações diferentes. Aliás, no caso apresentado a fosfoetanolamina não aparece como princípio ativo.

Novamente, a Anvisa não faz distinção na avaliação do registro de medicamentos, sejam eles nacionais ou importados, de laboratórios públicos ou privados.

A Anvisa é uma agência de referência para o registro de medicamentos no mundo graças ao seu alto nível técnico, fato que garante aos laboratórios nacionais abertura ao mercado externo.

Fonte: Conexão Jornalismo

Últimas notícias: