Rondônia - 17 de outubro de 2018
Home / Notícias / Brasil / Dia das Mães deve ter pior desempenho em 12 anos, aponta CNC

Dia das Mães deve ter pior desempenho em 12 anos, aponta CNC

dia-das-maes-deve-ter-pior-desempenho-em-12-anos-aponta-cnc540x304_25774aicitono_1ah9hhq0u741nelso0fqs1vakcO faturamento do comércio brasileiro relacionado ao Dia das Mães deve recuar 4,1%, no maior tombo em 12 anos, segundo a CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo). O Dia das Mães é a segunda principal data do comércio no País, atrás apenas do Natal.

As vendas de artigos de uso pessoal e doméstico devem ter um crescimento de 4,4% em relação à data em 2015, e o comércio de itens de vestuário, calçados e acessórios deve crescer 2,3%.

“Menos dependentes das condições atuais de crédito e com variações de preços menos acentuadas nos últimos meses, as vendas nesses dois segmentos, caracterizados por tíquetes médios mais baixos, deverão responder por quase dois terços (65,8%) de toda a movimentação do varejo nessa data em 2016”, afirma o economista da CNC, Fabio Bentes, em nota.

Do outro lado, as livrarias e papelarias (-21,1%) e as lojas de móveis e eletrodomésticos (-18,4%) deverão registrar seus piores desempenhos em toda a série histórica e empurrar a variação da receita real do setor para o campo negativo.

As vendas para o Dia das Mães devem movimentar aproximadamente R$ 5,7 bilhões neste ano.

Menos emprego

Com a estimativa de queda nas vendas para a data comemorativa, houve redução também na expectativa de contratação de trabalhadores temporários.

A oferta de 25,6 mil vagas em todo o varejo, esperada pela CNC, é 5,6% inferior ao contingente contratado no mesmo período do ano passado e equivale a patamar semelhante às vagas geradas em 2012 (25,4 mil).

Com a expectativa de crescimento das vendas de vestuário, este segmento deverá oferecer a maior quantidade de vagas temporárias do varejo (14,7 mil ou 57,1% do total), seguido pelo setor de hiper e supermercados, o maior empregador do varejo brasileiro, com 4,6 mil postos temporários.

O rendimento médio dos profissionais contratados deverá alcançar R$ 1.217, valor sem qualquer ganho real ante os R$ 1.114 registrados no mesmo período do ano passado.

O maior salário médio pago pelo varejo deve vir do segmento de farmácias e perfumarias (R$ 1.355) com alta de 3,4% em relação ao mesmo período do ano passado.
Fonte:O Financista