Rondônia - 17 de outubro de 2018
Home / Notícias / destaque / Enfim, a justiça aos policiais que matam bandidos

Enfim, a justiça aos policiais que matam bandidos

bm fuzila bandidos  montagemColuna Opinião de Primeira, Por Sérgio Pires – A recente condecoração de policiais militares no RS, causou polêmica,. Por que? Ora, porque os defensores dos direitos humanos dos bandidos estão indignados, já que os soldados da chamada Brigada Militar gaúcha (esse é o nome da corporação naquele Estado), foram homenageados por terem matado pelo menos seis bandidos, em dois confrontos. Num deles, dois soldados da BM gaúcha, com armas normais da  corporação, enfrentaram quatro bandidos fortemente armados, inclusive com fuzis. Os criminosos dispararam inúmeros tiros. Bem treinados e preparados, os dois soldados revidaram e conseguiram  acertar os quatro facínoras. Um deles, aliás, tinha, na sua ficha criminal, pelo menos três assassinatos contra pessoas de bem. Todos os demais tinham passagens pela polícia, por vários crimes. Os quatro estavam perto de um hospital, onde poderiam entrar e fazer reféns. Foram mortos antes. O outro caso, também é digno de registro: um soldado,  (agora promovido a sargento),  junto com pessoas da sua família, foi assaltado por seis meliantes. Ele reagiu, matou dois criminosos e os demais, covardes como são todos esses facínoras, fugiram.

Pra que! Os amigos dos direitos dos bandidos estão indignados! Polícia não pode matar bandido.  Se fosse o contrário, ou seja, se os assassinos cruéis tivessem matado meia dúzia de PMs (ou BMs, no sul), certamente nenhuma dessas vozes se ergueria para ao menos reverenciar os mortos. Torçamos para que essa tenebrosa e doentia inversão de valores seja dizimada (com o perdão do trocadilho), na sociedade brasileira. Polícia que mata bandido tem que ser homenageado sim e nunca criticado. Como dizia Lúcio Flávio Villar Lira, um dos maiores assaltantes de banco do país, nos anos 70: polícia é polícia e bandido é bandido. Quem quiser ficar ao lado do crime, que fique!

TERRA DE NINGUÉM

Voltou a baderna. De vez em quando, algum grupo se auto intitulando dono da BR 364, fecha a rodovia, deixando centenas – senão milhares – de pessoas sem o seu direito de ir e vir. Essa esculhambação, se que adonou do país nos últimos anos, continua existindo também em Rondônia. Nessa semana, protestando contra uma reintegração de posse em área que invadiram, algumas dezenas de pessoas de Candeias fecharam a única rodovia que liga Rondônia ao Acre e ao resto do país. O engarrafamento chegou a mais de 15 quilômetros e durou várias horas. Quando a lei for igual para todos, nessa terra de ninguém, esse tipo de crime não será permitido!

 A MORTE DE UM TALENTO

Quem é gaúcho, nessas paragens rondonienses e teve, em sua terra, alguma ligação com o teatro, certamente está lamentando a morte do dramaturgo Ronaldo Radde, aos 71 anos, em Porto Alegre. Radde sempre foi um dos mais homenageados talentos do teatro gaúcho, com peças dramáticas como “A Fossa” e comédias de qualidade. Ele foi o responsável pelo crescimento do teatro também na região do Vale do Sinos, onde vários atores amadores se destacaram. Alguns  deles vivem hoje em Rondônia, como o empresário e apresentador Everton Leoni, a jornalista Lisete Canova Pires, o cinegrafista João Luiz  Holmes (Jaburu) e o fotógrafo Luiz Roberto Bolotha.

DUAS MULHERES

As mulheres, eventualmente, se destacam na política. Não são todas, mas há as que conseguem abrir algum nessa prática que, até há bem pouco tempo atrás, era exclusividade masculina. Em Porto Velho, temos o exemplo claro da deputada federal Mariana Carvalho, que já foi vereadora, candidata à Prefeitura e, quando disputou uma vaga na Câmara Federal conseguiu mais de 60 mil votos. Mariana é hoje um dos destaques de toda a região norte no parlamento brasileiro. Agora, outro nome começa a aparecer na Capital. Com mais vagar, mas de forma sólida. Trata-se da vereadora  Ana Maria Negreiros que, como Mariana, tem a política no sangue. Ana Maria tem realizado um trabalho elogiável e seu próximo passo será a busca da reeleição. Em 2018, vai concorrer a uma cadeira na Assembleia. Vai longe…

TRIO FEMININO

Por falar em mulheres, a Assembleia tem três delas, representando cidades diferentes do Estado. A deputada Rosângela Donadon  cumpre seu primeiro mandato. E embora não seja de discursos e uma figura midiática, faz um grande trabalho social. Tem ligações fortes com Vilhena e toda a região e seu sobrenome, na região, é atração especial. Glaucione Rodrigues é outro destaque. Só perde a eleição para a Prefeitura de Cacoal se acontecer alguma tragédia na sua vida pública. Lúcia Teresa dispensa comentários. É uma mulher de fibra, duas vezes prefeita de Espigão e só não o será de novo se não quiser. Parece que ela não quer. Portanto, as mulheres estão bem representadas na ALE atual…

CAMPANHA FRIA

Faltando pouco mais de dois meses para começar a campanha eleitoral pra valer, a movimentação em Porto Velho, pela disputa pela Prefeitura, ainda é fraca. Há apenas alguns poucos pré candidatos há definidos e muitas dúvidas sobre quem concorrerá, com Mauro Nazif, pela cadeira de comandante da maior cidade do Estado. Por enquanto, Lindomar Garçon, WillHames Pimentel e Léo Moraes são nomes certos. Mariana Carvalho só vai a fórceps! Roberto Sobrinho também já está pronto para tentar novo mandato, assim como o novato Edgar do Boi, do PSDC. Há vários outros nomes cogitados, mas até agora, pouco de concreto tem surgido. Por enquanto, tem sido a pré campanha mais fria das últimas décadas.

PERGUNTINHA

Será que dá para levar a sério as ameaças do presidente nacional do PT, Rui Falcão, de que poderá haver convulsão no país caso a presidente Dilma seja realmente afastada?

Leia o Blog:   www.opiniaodeprimeira.com.br