Home / Notícias / Sul / Santa Catarina / CASAN deve cessar poluição causada por ETE ineficiente em Dionísio Cerqueira

CASAN deve cessar poluição causada por ETE ineficiente em Dionísio Cerqueira

Liminar obtida pelo MPSC também exige que não seja mais cobrada a tarifa de tratamento de esgoto sem que este seja efetivamente realizado.

O Ministério Público do Estado de Santa Catarina (MPSC) obteve medida liminar para determinar à Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (CASAN) que cesse a lesão ao meio ambiente causada pelo funcionamento ineficiente da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), localizada no Bairro Aeroporto – Município de Dionísio Cerqueira – e promova a reparação da área degradada.

A ação foi ajuizada pela 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Dionísio Cerqueira após apurar em inquérito civil a representação de um cidadão que denunciou ao Ministério Público que a CASAN cobrava dos moradores do Bairro Aeroporto a tarifa de tratamento de esgoto sem que o serviço fosse efetivamente prestado.

Na ação, o Promotor de Justiça Matheus Azevedo Ferreira juntou uma série de laudos de vistorias e perícias – requeridas no curso do inquérito civil e realizadas pela Gerência de Saúde da Agência de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueira, Fundação do Meio Ambiente, Polícia Militar Ambiental e Instituto Geral de Perícias – os quais demonstraram que a Estação de Tratamento de Esgoto está em precárias condições de funcionamento, com a estrutura danificada e transbordamento de resíduos, apresentando sinais visíveis de poluição do solo, ar e do curso hídrico que passa no local e colocando em risco a saúde pública.

“Diante disso, a ação foi ajuizada, com o objetivo de que os demandados façam cessar os danos ao meio ambiente e à saúde pública e promovam a reparação ambiental da área degradada”, explica o Promotor de Justiça.

Para tanto, o Ministério Público requereu na ação, liminarmente, que a CASAN faça cessar a lesão ao meio ambiente e promova a reparação da área degradada. Requereu também que o Município de Dionísio Cerqueira adote medidas imprescindíveis à cessação da lesão ao meio ambiente.

Diante das provas e argumentos apresentados pela Promotoria de Justiça, o Juízo da Comarca de Dionísio Cerqueira deferiu a medida liminar, determinando as medidas, necessárias à cessação e reparação dos danos ao meio ambiente, requeridas pelo Ministério Público, sob pena de multa diária de R$ 5 mil pelo descumprimento (veja no box).

Determinou, ainda, que a CASAN se abstenha da cobrança da tarifa de esgoto das unidades consumidoras do Bairro Aeroporto e daquelas que são abrangidas pela Estação em questão, enquanto se discute o mérito ou até pronunciamento judicial em sentido diversos sob pena de multa de R$ 1 mil por cada emissão de fatura em desconformidade com a decisão.

No julgamento do mérito da ação, além da confirmação dos pedidos liminares, a Promotoria de Justiça requereu a condenação da CASAN e do Município de Dionísio Cerqueira ao pagamento de medida compensatória indenizatória, em valor não inferior a R$ 500 mil e R$ 250 mil, respectivamente, o que ainda não foi avaliado pelo Poder Judiciário. (ACP n. 0900057-40.2016.8.24.0017)

À CASAN

– Apresentar, em 30 dias, projeto para cessar os problemas de vazamento no local, que deve ser executado em até 60 dias a contar da aprovação pela FATMA;
– Isolar imediatamente o local de modo a garantir a segurança;
– Em caso de continuidade da operação da ETE, providenciar a Licença Ambiental de Instalação referente às obras necessárias à adequação, protocolizando o pedido em até 30 dias e iniciar as referidas obras em até 30 dias a contar da aprovação pela FATMA e concluí-las em até 12 meses de seu início;
– Em caso de encerramento da operação da ETE, apresentar em até 60 dias o plano de encerramento das atividades, informando à FATMA as medidas a serem adotadas para adequação, coleta, transporte e disposição final do esgoto doméstico do bairro Aeroporto;
– Promover a recuperação da área degradada, mediante apresentação e execução de plano de recuperação.

AO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA

– Fiscalizar as atividades da CASAN, cessando sua omissão;
– Em caso de implantação de estação elevatória como alternativa à ETE, apresentar estudos ambientais necessários em até 30 dias e, após aprovação, apresentar em até 90 dias licenças ambientais prévia e de instalação e, em mais 180 dias a Licença Ambiental de Operação do novo sistema.

Comente pelo Facebook

comentários