Home / Notícias / Norte / Rondônia / Ariquemes / IML de Ariquemes está falido, denuncia Adelino Follador

IML de Ariquemes está falido, denuncia Adelino Follador

O deputado Adelino Follador (DEM) denunciou nesta quarta-feira (11) a inércia de setores da Segurança Pública do Estado, que faz vistas grossas para a situação falência do Instituto Médico Legal de Ariquemes (IML), que está transferindo a realização de exames de necropsia, próprios de sua responsabilidade para os institutos de Porto Velho e Jaru, por falta de médico e estrutura funcional.

Segundo o deputado, o IML de Ariquemes é responsável pela realização de todos os serviços de medicina legal de toda região do Vale do Jamari, mas com um único médico trabalhando – os outros três estão legalmente afastados por motivos diferentes -, poucos servidores para atender a demanda, com instalações físicas em ruínas, e sem serviços de limpeza e manutenção, conforme denúncia protocolada no Conselho Regional de Medicina de Rondônia (Cremero), a saída foi pedir socorro aos municípios de Porto Velho e Jaru, onde os exames e serviços de necropsia estão sendo realizados.

Adelino Follador disse que já entrou em contato com o delegado Antônio Reis, diretor-geral adjunto da Polícia Civil de Rondônia, a quem expôs o drama da gestão do IML de Ariquemes, e recebeu dele a garantia de que até final do mês esta situação estará normalizada.

Sobre a estrutura física do prédio do IML, o deputado disse conversou também com o delegado Reis sobre o assunto, confirmando que não há projeto no âmbito do Governo Estadual para reforma do instituto, mas um planejamento em pareceria com o Governo Federal para construção de um Núcleo de Criminalística, que na sua visão atenderá toda a demanda da região do Vale do Jamari.

Enquanto dava entrevista a um canal de televisão sobre o assunto, Follador disse que recebeu a notícia de que o único médico que ainda atendia no IML, o doutor Cleiton Bach, não suportando a carga de trabalho e as péssimas condições laborais para o exercício de sua função, também pediu afastamento, não restando, doravante, nenhum profissional legista no Instituto Médico Legal de Ariquemes.

Comente pelo Facebook

comentários