Rondônia - 24 de outubro de 2017
Home / Notícias / Polícia / Primo de Aécio e assessor de Perrella são transferidos para presídio em Contagem

Primo de Aécio e assessor de Perrella são transferidos para presídio em Contagem

O Primo do senador Aécio Neves (PSDB-MG), Frederico Pacheco de Medeiros, e o assessor parlamentar e cunhado do senador Zeze Perrella (PMDB-MG), Mendherson Souza Lima, foram transferidos na tarde desta quinta-feira (18), pra a Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Eles foram presos nesta manhã por cumprimento de mandado pela Polícia Federal na Operação Patmos, deflagrada após as delações dos donos da JBS, Joesley e Wesley Batista.

Frederico Pacheco foi preso em casa, no condomínio Morro do Chapéu, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O advogado Maurício Campos Júnior disse que, por enquanto, não vai se manifestar sobre a prisão.

O assessor parlamentar de Perrella Mendherson Souza Lima, que é também cunhado do senador e ex-vice-presidente da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), é citado na delação como a pessoa que recebeu o dinheiro. Ele foi preso nesta manhã e chegou à sede da Polícia Federal em Belo Horizonte por volta das 11h50. A Polícia Federal informou que apreendeu R$ 400 mil em dinheiro na casa do assessor.

O advogado Antônio Veloso Neto, que defende Mendherson, disse que não vai comentar a prisão do cliente porque não teve à investigação ainda, mas que vai pedir vistas do processo.

Andrea Neves

A irmã e assessora do senador Aécio Neves (PSDB-MG), Andrea Neves, foi presa por agentes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal na manhã desta quinta-feira (18) no condomínio Retiro das Pedras, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Ela foi transferida para o Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto, na Região Leste da capital mineira, durante a tarde.

Andrea foi presa porque há suspeitas de que ela tenha pedido dinheiro ao empresário Joesley Batista, dono do grupo JBS, em nome do irmão. Ela é considerada operadora do senador nas investigações da Lava Jato.

O advogado Marcelo Leonardo esteve na sede da PF em Belo Horizonte, para onde Andrea foi levada, e disse que vai fazer a defesa da irmã de Aécio, mas não vai se manifestar sobre a prisão neste momento.

De acordo com a Secretaria Estadual de Administração Prisional de Minas Gerais, Andrea ficará abrigada em uma cela individual de 2,5 m x 3 m. O local dispõe de cama, vaso sanitário e chuveiro. Ainda de acordo com a Seap, ela vai estar submetida a todos os procedimentos do presídio, como quatro alimentações diárias, banho de sol, visitas e assistências médica e psicossocial.

Operação Patmos

A operação teve início após a delação do dono do frigorífico JBS, Joesley Batista, que entregou à Procuradoria-Geral da República uma gravação do senador Aécio Neves pedindo a ele R$ 2 milhões. No áudio, com duração de cerca de 30 minutos, o presidente nacional do PSDB justifica o pedido dizendo que precisava da quantia para pagar sua defesa na Lava Jato. A informação foi divulgada pelo jornal “O Globo” na quarta-feira (17).

A entrega do dinheiro foi feita a Frederico Pacheco, que foi diretor da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) entre 2011 e 2015, nomeado por Aécio, e um dos coordenadores de sua campanha a presidente em 2014. As malas com o dinheiro foram entregues por Frederico a Mendherson.

Sempre seguido pela PF, Mendherson fez três viagens de carro de São Paulo a Belo Horizonte levando a propina. Segundo a PGR, os recursos foram parar na Tapera Participações Empreendimentos Agropecuários, do filho de Perrella, Gustavo.

Mendherson foi preso nesta manhã e chegou à sede da Polícia Federal em Belo Horizonte por volta das 11h50. A Polícia Federal informou que apreendeu R$ 400 mil em dinheiro na casa do assessor.

Em um vídeo divulgado em uma rede social, Perrella confirma que Mendherson é amigo pessoal de Frederico. O senador disse que vai comprovar que não tem relação com as acusações feitas na delação e que está tranquilo. “Portanto, estou absolutamente tranquilo. O assessor citado na matéria Mendherson Souza Lima realmente é meu assessor parlamentar e amigo pessoal do Fred Pacheco, que é primo do senador Aécio”.

Os agentes também estiveram na casa de Perrella, no bairro Belvedere, Região Centro-Sul, e no escritório de um dos filhos do senador, o ex-deputado estadual Gustavo Perrella (SD), no bairro Estoril, Região Oeste da capital mineira. Nos locais foram cumpridos mandados de busca e apreensão. O G1 não conseguiu contato com o senador Perrella e nem com o filho dele.

Operação em várias cidades

No Rio de Janeiro, a operação começou por volta das 5h. Um chaveiro foi chamado para os agentes cumprirem o mandado de busca e apreensão no apartamento de Andréa em Copacabana, na Zona Sul. Este imóvel pertenceu ao ex-presidente Tancredo Neves, avô de Aécio e Andrea. Também foram feitas buscas nos apartamentos de Aécio e de Altair Alves Pinto, conhecido por ser braço direito do deputado Eduardo Cunha, que está preso. As diligências foram todas autorizadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Por volta das 6h15, pelo menos cinco carros descaracterizados da Polícia Federal chegaram à chapelaria do Congresso, em Brasília, que é a principal entrada e a mais utilizada pelos parlamentares. No Congresso, as buscas são feitas nos gabinetes de Aécio e Perrella e do deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR). O G1 não conseguiu localizar a defesa de Perrella e Loures.

Em Belo Horizonte, policiais federais estiveram no prédio onde mora Aécio, no bairro Anchieta, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Uma viatura da PF com cinco policiais chegou por volta das 6h. Ainda não se sabe se alguém foi encontrado no apartamento. Agentes também fizeram buscas em fazendas da família Neves em Cláudio, no interior de Minas Gerais.

O advogado José Eduardo Alckmin, que defende o senador Aécio Neves afirmou por meio de nota divulgada nesta quinta-feira (18) que o parlamentar recebeu legalmente um empréstimo do empresário Joesley Batista destinado a pagar os custos com a defesa dele na Operação Lava Jato.

Na nota, o advogado afirma que o pedido de dinheiro ao empresário se tratou, “única e exclusivamente de uma relação entre pessoas privadas, em que o senador solicitou apoio para cobrir custos de sua defesa, já que não dispunha de recursos para tal”.

Fonte: G1

Comente pelo Facebook

comentários