Rondônia - 18 de novembro de 2018
Home / Notícias / Norte / Acre / Com a elevação do Rio Acre, monitoramento no sistema de captação é intensificado

Com a elevação do Rio Acre, monitoramento no sistema de captação é intensificado

Nas últimas semanas, o nível do Rio Acre apresenta constantes elevações. O fato exige um monitoramento contínuo dos equipamentos que compõem o sistema de captação de água de Rio Branco, gerenciado pelo Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento (Depasa).

Com a elevação do manancial – como ocorreu nesta quinta-feira, 11, onde alcançou a marca de 12,17 metros -, aumenta também a quantidade de balseiros sobre suas águas, podendo ocasionar alguma problemática nas bombas em balsas flutuantes instaladas nas Estações de Tratamento de Água (ETAs).

“O aumento do volume de chuvas provoca a subida repentina das águas e, consequentemente, os materiais orgânicos descem junto com a força da correnteza, por isso, temos que evitar os impactos dos balseiros nos equipamentos que possam danifica-los ou até mesmo afunda-los”, destaca o superintendente do Depasa em Rio Branco, Miguel Félix.

imagem12-01-2018-13-01-14

Bombas em balsa flutuantes da ETA II recebem o monitoramento contra possíveis danificações de balseiros (Foto: Alexandre Noronha/Secom)

As tubulações que conectam os flutuantes às ETAs, precisam de constantes alterações em seu posicionamento e diâmetro em decorrência das elevações do manancial.

“Todas as estruturas de captação precisam funcionar de forma plena, principalmente na ETA II, onde cinco bombas em três balsas flutuantes atuam na produção de 950 litros por segundo sendo responsáveis por atender 60% dos consumidores da capital. Toda atenção é indispensável”, relata Félix.

Outra bomba em balsa flutuante está instalada e pronta para funcionar caso haja alguma necessidades na ETA I, que mantém a média de produção de 500 litros/s e capta água em bombas instaladas em uma torre construída às margens do Rio Acre.

O gestor informa que adicionado a este fato, está ao aumento da turbidez da água, que também aumenta neste período, gerando o adicionamento de 20% a mais de produtos químicos no processo de tratamento para manter a qualidade da água distribuída.