Home / Notícias / Esportes / Corinthians / Comissão no Corinthians cogita impugnação em candidaturas de Sanchez, Garcia e Citadini

Comissão no Corinthians cogita impugnação em candidaturas de Sanchez, Garcia e Citadini

Parque São Jorge terá eleição no dia 3 de fevereiro

Parque São Jorge terá eleição no dia 3 de fevereiro

Foto: Divulgação

A menos de um mês do pleito marcado para o próximo dia 3 de fevereiro, a comissão eleitoral do Corinthians discute a possibilidade de impugnar ao menos três das cinco candidaturas. De acordo com o portal Globoesporte.com, Paulo Garcia e Antonio Roque Citadini são dois dos conselheiros sob risco; o site Uol acrescentou Andrés Sanchez à famigerada lista.

Os motivos das possíveis impugnações são distintos. No caso de Paulo Garcia e Andrés Sanchez, há investigações em curso no Parque São Jorge sobre uma suposta compra de votos para a eleição presidencial – os candidatos teriam pagado de seus próprios bolsos para regularizar sócios até então inadimplentes (e que portanto não poderia votar).

No último mês de dezembro, Paulo Garcia admitiu ter realizado a manobra. Andrés Sanchez negou ter regularizado a situação de sócios, mas defendeu a prática de compra de votos.

No caso de Citadini, a investigação é outra. A comissão eleitoral do Corinthians discute o fato de o candidato fazer parte do Tribunal de Contas do Estado, o que o impediria de concorrer a cargos administrativos no clube. No entendimento do conselheiro, há jurisprudência a seu favor.

Fato é que a comissão eleitoral não tem poder para impugnar qualquer candidatura. Se entender que esse é o melhor caminho a ser seguido, o grupo de conselheiros responsável pela eleição enviará um parecer ao presidente do Conselho Deliberativo, Guilherme Strenger, que poderá ou não acatar o pedido.

Por ora, concorrem à presidência do Corinthians para o triênio 2018/19/20: Andrés Sanchez, Antonio Roque Citadini, Romeu Tuma Júnior, Felipe Ezabella e Paulo Garcia.

Veja mais em:
Eleições no Corinthians, Andrés Sanchez e Presidentes.