Rondônia - 21 de Abril de 2018
Home / Notícias / Centro-Oeste / Distrito Federal / Inflação no DF recua 1,86 ponto porcentual durante 2017 – Brasília

Inflação no DF recua 1,86 ponto porcentual durante 2017 – Brasília

Durante 2017, a inflação no Distrito Federal medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) diminuiu em relação ao ano anterior: de 5,62%, em 2016, caiu para 3,76% — diferença de 1,86 ponto porcentual.

O diretor de Estudos e Pesquisas Socioeconômicas, da Codeplan, Bruno de Oliveira Cruz; o presidente da Codeplan, Lúcio Rennó; o chefe da Seção de Controle de Portaria e Estatística da Ceasa, Fernando Nogueira; e o economista da Diretoria Técnico Operacional da Ceasa João Bosco Soares Filho. Foto: Dênio Simões/ Brasília.O diretor de Estudos e Pesquisas Socioeconômicas, da Codeplan, Bruno de Oliveira Cruz; o presidente da Codeplan, Lucio Rennó; o chefe da Seção de Controle de Portaria e Estatística da Ceasa, Fernando Nogueira; e o economista da Diretoria Técnico-Operacional da Ceasa João Bosco Soares Filho. Foto: Dênio Simões/ Brasília

Os números, calculados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foram apresentados pela Companhia de Planejamento do DF (Codeplan) na tarde desta sexta-feira (12).

Segundo o diretor de Estudos e Pesquisas Socioeconômicas, da Codeplan, Bruno de Oliveira Cruz, a queda se deu em todo o País.

“Nossa inflação anual está abaixo da linha da meta do Banco Central [4,5%] e inferior ao que era apresentado em 2015 e 2016, o que indica uma diminuição contínua.”

Além dos números do ano passado, a Codeplan também mostrou uma análise da inflação de dezembro em Brasília, que aumentou 0,59% em relação a novembro.

Tanto para 2017 quanto para dezembro, o setor de consumo que mais teve influência para uma variação positiva foi o de transportes, no IPCA e no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

“Em dezembro, tivemos um efeito sazonal no valor de passagens aéreas, e,  durante o ano, houve o aumento no preço da gasolina e dos transportes públicos”, explicou Cruz.

Como o IPCA mede o consumo de famílias com rendimento mensal de 1 a 40 salários mínimos, e o INPC, de famílias de 1 a 5, a gasolina e as passagens aéreas têm mais efeito no primeiro índice, enquanto o transporte público, no segundo.

Venda de legumes manteve o Índice Ceasa com variação imperceptível

Hoje também foi apresentado o Índice Ceasa do Distrito Federal (ICDF), medido pela Centrais de Abastecimento do DF (Ceasa-DF) com base nos preços de 66 itens de hortifrutigranjeiros vendidos em Brasília. A variação do ICDF foi de -0,13% em relação a novembro.

De acordo com o economista da Diretoria Técnico-Operacional da Ceasa João Bosco Soares Filho, esse valor é imperceptível para as centrais. “Mas como ele ficou balanceado por uma alta de verduras e uma queda de legumes, quem consome esses produtos sentiu a diferença no bolso.”

Leia também

O diretor de Estudos e Pesquisas Socioeconômicas da empresa, Bruno de Oliveira Cruz, apresentou os dados do Idecon DF.

Economia do DF dá sinais de estabilização, mas ainda está em recessão

As verduras tiveram inflação de 22,07%, porque a época de chuvas diminui a produção de folhagens. “E nos meses de primavera e verão, há mais demanda de saladas”, detalhou Soares Filho.

Já os legumes diminuíram 9,69%, porque dezembro é mês de maior produção de jiló (-49,89%), abóbora japonesa (-40,78%), berinjela (-34,89%), pimentão (-32,68%) e cenoura (-23,08%).

Nos grupos de ovos e grãos, as variações foram de -0,65% e de 2,66% no de frutas. A banana prata (31,46%), a banana nanica (29,66%) e o abacate (31,25%) estão em período de entressafra, o que aumentou o preço das frutas, enquanto ovos e grãos não tiveram peso no ICDF por terem variação muito baixa.

Veja a íntegra da apresentação do IPCA — INPC de dezembro de 2017.

Edição: Raquel Flores

Galeria de Fotos

Codeplan divulga IPCA de 2017 em entrevista coletiva

noticias doidas