Rondônia - 19 de julho de 2018
Home / Notícias / Centro-Oeste / Distrito Federal / Metrô-DF investiu, em 2017, cinco vezes mais do que nos últimos anos – Brasília

Metrô-DF investiu, em 2017, cinco vezes mais do que nos últimos anos – Brasília

O volume de investimentos no sistema metroviário do Distrito Federal foi cinco vezes maior em 2017, comparando-se com os últimos anos. De R$ 4,5 milhões anuais, em média, de 2013 a 2016, por exemplo, o número aumentou para R$ 22,2 milhões no ano passado. Os dados constam da execução orçamentária da Companhia do Metropolitano (Metrô-DF).

Mesmo diante do baixo número referente aos anos anteriores, das 100 mil viagens em 2017, apenas 0,081% tiveram falhas que provocaram atraso em mais de 15 minutos em horários de pico. De acordo com a empresa, isso é resultado de uma série de ações estratégicas adotadas desde 2015.

Ainda segundo a companhia, de 2012 a 2015, os investimentos na manutenção e na operação do metrô ficaram abaixo de R$ 500 mil por ano.

“Em 2017, foi possível reforçar os investimentos na melhoria dos equipamentos graças ao esforço do governo para regularizar a situação fiscal e organizar o gasto público”, disse o diretor financeiro e comercial do Metrô-DF, Gilberto Pompílio.

Leia também

Metrô-DF compra 205 peças para manutenção de trens

Um ônibus articulado e um outro ônibus na Rodoviária do Plano Piloto

Ações do Circula Brasília em 2017 melhoram transporte público do DF

O governo de Brasília destinou, no orçamento de 2017, R$ 192,7 milhões para investimentos totais na companhia, mas grande parte desse montante seria proveniente de operações de crédito, não realizadas, e recursos do governo federal, ainda não repassados.

Para dar início à modernização, o Executivo local destinou ao Metrô-DF recursos de financiamento do Banco do Brasil. Em abril de 2017, por exemplo, foram repassados cerca de R$ 19 milhões para a execução de contratos da Linha 1.

O aumento do investimento iniciado em 2017 não onera o caixa do DF, segundo o presidente do Metrô-DF, Marcelo Dourado. “Nosso primeiro ato ainda em 2015 foi a revisão dos contratos vigentes, o que nos permitiu uma redução de mais de R$ 50 milhões nos contratos de manutenção, sem perder a eficiência e a segurança do sistema.”