Rondônia - 12 de dezembro de 2018
Home / Notícias / Norte / Roraima / SARAMPO | Técnicos atuam na investigação de prontuários no Hospital da Criança | RORAIMA

SARAMPO | Técnicos atuam na investigação de prontuários no Hospital da Criança | RORAIMA

Treinamento sobre Sarampo HCSA (1)

Além da busca por possíveis casos suspeitos, bioquímicos da unidade recebem treinamento do Estado para facilitar a coleta de amostras para diagnóstico

Sete servidores do Estado integram uma força tarefa no HCSA (Hospital da Criança Santo Antônio) para analisar prontuários de crianças atendidas na unidade. A busca é por eventuais casos suspeitos de sarampo que não tenham sido notificados.

Junto com profissionais do Ministério da Saúde em apoio ao município, a equipe deve permanecer na unidade até concluir uma retrospectiva nas crianças atendidas nos últimos 30 dias. Em seguida, o grupo realizará o mesmo trabalho em outras unidades de saúde como o Pronto Atendimento Cosme e Silva e o Hospital Geral de Roraima.

Nesta sexta-feira (16), dois casos suspeitos de sarampo foram descartados pelo Lacen (Laboratório Central de Saúde Pública de Roraima), porém um caso foi diagnosticado como positivo na última terça-feira (13), motivando as ações emergenciais realizadas desde então. Os três casos passarão por uma pesquisa viral na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para confirmação dos diagnósticos.

A coordenadora geral de Vigilância em Saúde, Daniela Souza, explicou que, paralelamente, o Lacen-RR está ministrando neste sábado, 17, um treinamento para os bioquímicos do hospital, orientando-os sobre como realizar a coleta das amostras biológicas em casos suspeitos de sarampo (sangue total, urina e secreção de nasofaringe e orofaringe).

TREINAMENTO – Na terça-feira, 20, haverá um grande treinamento para os servidores da saúde das unidades estaduais e municipais, promovido por técnicos do Ministério da Saúde, no auditório do Corpo de Bombeiros. A medida pretende garantir que os servidores estejam alinhados, pois não se trata mais de procedimentos de rotina e sim, de risco de surto.

Uma ficha mal preenchida, por exemplo, dificulta a investigação dos casos suspeitos e atrapalha as ações de combate. Por isso, serão abordadas as recomendações sobre sintomas, coleta de amostras, vacinação e demais procedimentos. O curso será aberto a todos os profissionais da área que tiverem interesse. Profissionais de todo o Estado estão sendo mobilizados.