Rondônia - 21 de junho de 2018
Home / Notícias / Política / Operação investiga esquema de fraude em aposentadorias rurais de Alagoas

Operação investiga esquema de fraude em aposentadorias rurais de Alagoas

Polícia Federal

Mais de 80 policiais federais cumprem 24 mandados judiciais nos municípios alagoanos de Delmiro Gouveia, Água Branca e CanapiMarcelo Camargo / Arquivo Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (12) a Operação Terra Prometida, que investiga um esquema de fraude de aposentadorias de trabalhadores rurais. Pela manhã, mais de 80 policiais federais cumprem 24 mandados judiciais, sendo três de prisões temporárias e 21 de busca e apreensão, nos municípios alagoanos de Delmiro Gouveia, Água Branca e Canapi.

A ação é um trabalho conjunto com a Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda e o Ministério Público Federal. Os crimes atingem, segundo nota da PF, benefícios relacionados a aposentadorias concedidas por idade, pensões por morte e salário-maternidade. 

As investigações foram iniciadas há dois anos, a partir de denúncias recebidas pela Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária (Coinp), da Secretaria de Previdência, que realizou um levantamento das irregularidades desde 2012. Na avaliação preliminar, descobriu-se que o grupo criminoso vinha atuando há pelo menos cinco anos,  formado por dois servidores públicos, dirigentes sindicais e intermediários.

O grupo criminoso teria acarretado um prejuízo de mais de R$ 500 mil aos cofres públicos por meio de 21 benefícios obtidos de maneira fraudulenta. A estimativa é que esse valor chegue a mais de R$ 2 milhões quando acrescido do material apreendido na manhã de hoje. A desarticulação da quadrilha, complementou o comunicado da PF, proporcionará uma economia de mais de R$ 3 milhões em valores que seriam pagos futuramente aos supostos beneficiários.

A PF informou que os suspeitos presos serão encaminhados para a sede da corporação em Maceió, onde serão indiciadas por estelionato cometido contra entidade de direito público, inserção de dados falsos no sistema de informações e formação de quadrilha, cujas penas somadas chegam a 14 anos de reclusão.

Edição: Valéria Aguiar