Rondônia - 26 de setembro de 2018
Home / Notícias / Política / Propostas que fortalecem os direitos das mulheres estão na pauta da CCJ

Propostas que fortalecem os direitos das mulheres estão na pauta da CCJ

Projetos considerados prioritários pela bancada feminina do Senado, como o que inclui a agressão de namorado na Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006), estão na pauta da reunião desta quarta-feira (14) da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Apresentada pela deputada Elcione Barbalho (PMDB-PA), a proposta em questão (PLC 16/2011) tem por objetivo acabar com uma divergência antiga de interpretação sobre a Lei Maria da Penha, ao definir de forma clara que o namoro, atual ou terminado, configura relação íntima de afeto para fim de proteção da mulher contra a violência doméstica e familiar.

O projeto recebeu voto favorável do relator, Magno Malta (PR-ES). Segundo o senador, enquanto alguns juízes entendem que a legislação vale para todos os casos de violência contra a mulher, outros têm visão mais restritiva, considerando que a norma somente se aplica a relacionamento estáveis.

Na CCJ, a matéria está em análise em caráter terminativo, ou seja, se aprovada e não for apresentado recurso ao Plenário do Senado, seguirá para a Câmara dos Deputados.

Mulheres condenadas

Outra proposta da agenda, que tem ganhado força e prioridade com as comemorações do Dia Internacional da Mulher, é o PLS 64/2018, da senadora Simone Tebet (PMDB-MS). O projeto  flexibiliza as penas de mães e gestantes condenadas. A proposta torna lei a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), divulgada no dia 20 de fevereiro, que concedeu prisão domiciliar para gestantes e mães de crianças até 12 anos presas preventivamente.

A determinação da Corte, contudo, não vale para as condenadas pela Justiça. Segundo Simone Tebet, a decisão do STF “foi tímida” ao não abranger a situação das mães que cumprem pena privativa de liberdade. Por esse emotivo, a senadora considera o projeto um avanço na legislação, já que traz previsões para as mulheres condenadas.

A proposta também receberá decisão final da CCJ e conta com o apoio do relator, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG).

Amamentação

Outras propostas consideradas prioritárias pela bancada feminina do Senado e que podem ser votadas na quarta são o PLS  514/2015, da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), que torna crime a violação do direito à amamentação em público; e o PLS 308/2016, de Elmano Férrer (PMDB-PI), que obriga profissionais de saúde a notificarem às autoridades policiais, em até cinco dias do atendimento, casos de violência doméstica.

Botão do pânico

Também estão na pauta para votação o PLS 119/2015,  que estabelece a utilização em todo o país de equipamento que aciona a polícia automaticamente em caso de ameaça de violência contra mulheres, conhecido como “botão do pânico”; e  o PLS 233/2013, do senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), que reserva vagas, sem custos, nos cursos dos Serviços Nacionais de Aprendizagem para as mulheres em situação de violência doméstica e familiar.

A reunião da CCJ está marcada para as 10h e acontecerá na sala 3 da Ala Senador Alexandre Costa.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)