Rondônia - 25 de setembro de 2018
Home / Notícias / destaque / Centro de Medicina Tropical de Rondônia comemora 30 anos de criação em evento quinta-feira, em Porto Velho

Centro de Medicina Tropical de Rondônia comemora 30 anos de criação em evento quinta-feira, em Porto Velho

Os 30 anos do Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron), em Porto Velho, completados em 22 de fevereiro, serão comemorados na próxima quinta-feira (15) em solenidade marcada para as 9h com a presença de autoridades governamentais e da sociedade. De acordo com a diretora adjunta, Raquel Gil Costa, o evento será aberto com a execução do Hino de Rondônia, oração sob a ministração de um padre e um pastor, a participação especial de dois pacientes tocando teclado e violino, encerrando com a soltura de 100 balões brancos nos céus de Rondônia e um coquetel com direito a bolo.

Inaugurado no governo Jerônimo Santana, quando era secretário de Saúde o atual governador Confúcio Moura, o Cemetron tinha como finalidade apenas tratar casos de malária, doença infectocontagiosa, mas se transformou em referência também no atendimento a pessoas com aids, tuberculose, leishmaniose, meningite, leptospirose, hepatite, ofídico (picada de cobra) e de outros animais peçonhentos, inclusive para pacientes dos estados vizinhos, como Amazonas, Acre e Norte do Mato Grosso, e até da Bolívia, tendo como base o programa de humanização e acolhimento com classificação de riscos, do Ministério da Saúde.

Dados recentes obtidos pelo serviço de ouvidoria da unidade médica apontam 100% de satisfação dos pacientes, e a tendência é este resultado melhorar ainda mais com os projetos de reforma, ampliação e modernização da estrutura predial, com acessibilidade seguindo as normas da Coordenadoria Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência (Corde), órgão de Assessoria da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República.  A ampliação inclui a construção de uma nova Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com dez leitos, ampliando o total para 17, conforme revelou no início do ano a diretora Stella Zimmerli.

Acoplado ao Cemetron, funciona o Centro de Pesquisa em Medicina Tropical (Cepem), responsável pela execução de pesquisas, como a do tratamento da malária, cuja proposta é que seja utilizado um único comprimido; vacina contra a dengue; e posteriormente a zika e chikungunya.

Ao todo são 471 servidores distribuídos por seis setores de internações, ambulatório de infectologia e programas de conscientização e da busca de ambiente agradável, incluindo atendimento à Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Rua de Porto Velho (Asprovel) com palestras sobre cuidados com resíduos; e nas escolas sobre DST e descarte de perfurocortantes no domicílio.

Ainda como medida de interação com os pacientes e respectivos familiares, a unidade conta com um ambiente denominado chapéu de palha, onde são realizados eventos artísticos e culturais, brechós e comemorações diversas com apresentação do coral formado por servidores.

Leia Mais:

Infectologista do Cemetron alerta para o risco de leptospirose nessa época de alagamentos em Rondônia

Cemetron encerra 2017 contabilizando mais de meio milhão de reais de investimentos e 100% de satisfação dos pacientes

Cemetron realiza brechó para reverter recursos a espaço de lazer dos pacientes e seus acompanhantes