Rondônia - 22 de Maio de 2018
Home / Notícias / Norte / Roraima / MATERNIDADE | Unidade conta com programas para reduzir mortalidade neonatal | RORAIMA

MATERNIDADE | Unidade conta com programas para reduzir mortalidade neonatal | RORAIMA

UTI Maternidade (79) (1)

Para reforçar as práticas de atenção ao recém-nascido de risco e oferecer atendimento mais humanizado às gestantes e aos bebês, o HMI (Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazareth) participa de estratégias do MS (Ministério da Saúde) que visam reduzir a mortalidade de recém-nascidos de até 28 dias e garantir a eles um melhor início de vida.

Uma dessas estratégias é o QualiNeo, que oferece apoio técnico e capacitações de profissionais, para evitar casos de asfixia no nascimento e de infecções da corrente sanguínea associadas à cateter, além de aumentar a taxa de aleitamento materno, o que contribui para a diminuição da mortalidade neonatal.

O coordenador da Neonatologia do HMI, Hennedy Bernardino da Silva, ressaltou que a proposta é reunir as principais ações voltadas à saúde da criança, como método Canguru [atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso], bancos de leite humano, qualificação e habilitação de leitos para esse público, além de reanimação e transporte neonatal.

“O projeto tem nos proporcionado avanços como o fortalecimento das ações como a doação de leite materno, incentivo da amamentação até os seis meses de vida do bebê e demais ações”, disse.

No último mês, foi realizada uma visita técnica do MS a maternidade, onde a estrutura física da unidade foi avaliada de forma positiva. Conforme o coordenador, o projeto é baseado em mudanças de comportamentos, por isso não necessita de grandes investimentos. “Nossos profissionais estão sendo treinados para respeitar a individualidade de cada mãe e cada bebê, oferecendo assistência humanizada para um melhor desenvolvimento da criança e para fortalecer os vínculos afetivos”, adiantou.

O Método Canguru é um dos métodos da Estratégia QualiNeo, no qual o bebê prematuro é colocado em contato pele a pele com sua mãe ou pai, contribuindo para o ganho de peso e fortalecimento dos sinais vitais.

 Outra estratégia adotada pela unidade é o Ápice On (Programa Aprimoramento e Inovação no Cuidado e Ensino em Obstetrícia e Neonatologia), que visa diminuir a mortalidade materna, e garantir a segurança e direitos da mulher.

O projeto promove ações de qualificação nas áreas de atenção ao parto, nascimento e aborto; saúde sexual e reprodutiva; e atenção humanizada às mulheres em situação de violência sexual.

“Um número expressivo de casos de mortalidade materna poderia ser evitado por ações dos serviços de saúde, a partir de atenção adequada desde o pré-natal”, explicou.

O QualiNeo e o Ápice On foram implantados no HMI, respectivamente, nos meses de agosto e setembro do ano passado e integram as diversas ações do Ministério da Saúde voltadas à saúde da criança. Ao final de dois anos de atividades, a pasta entregará um selo de qualidade às instituições que adotaram a estratégia.

TREINAMENTOS – Desde a implantação das estratégias, o HMI vem promovendo capacitações com o apoio do Ministério da Saúde. Na semana passada, a Sesau (Secretaria Estadual de Saúde) promoveu uma oficina para os profissionais que atuam na unidade. O treinamento ocorreu na quinta e sexta-feira (8 e 9) no auditório do Bloco D de Medicina da UFRR (Universidade Federal de Roraima).

Neste ano, a Sesau investirá ainda mais em treinamentos e capacitações para a Atenção Básica. Em abril será realizada a Oficina de Pré-Natal de Baixo Risco para equipes de atenção básica dos municípios, em parceria com a Secretaria de Saúde do Paraná.

Além disso, ainda no primeiro semestre, será implantada a Política Estadual de Práticas Integrativas e Complementares, com ações voltadas à adoção de serviços como Shantala (técnica de massagem) para as mulheres grávidas atendidas no CRSM (Centro de Referência da Saúde da Mulher) e recém-nascidos no HMI, buscando assim o fortalecimento da humanização nesses serviços.