Rondônia - 23 de junho de 2018
Home / Notícias / Política / Adelino Follador crítica falta de médicos peritos em agências do INSS

Adelino Follador crítica falta de médicos peritos em agências do INSS

Durante a sessão ordinária desta terça-feira (13), o deputado Adelino Follador (DEM) criticou a falta de médicos peritos nas agências do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) de Rondônia, entre elas a de Ariquemes.

Quem não mora na capital de Rondônia e necessita dos serviços do INSS passa por momentos de aflição. Primeiro é uma dificuldade para realizar o agendamento, depois que consegue, ele “precisa se deslocar do seu município, gastando muitas vezes o que tem e o que não tem para ser atendido e em alguns casos tem seu agendamento cancelado sem qualquer aviso”, relata Follador

De acordo com o parlamentar, os médicos peritos são responsáveis por atestarem se os requerentes estão impossibilitados de trabalharem e devem ser aposentados, afastados de suas funções e demais serviços.

“Sem a perícia, o INSS não libera os benefícios e com isso os segurados por muitas vezes passam por muitas dificuldades. Ariquemes é um polo que atende outros municípios e não possui um médico perito, todos os moradores do Vale do Jamari precisam vir até Porto Velho para serem atendidos. Gostaria de fazer um apelo a nossa bancada federal para que interceda nessa situação o mais breve possível”, argumenta o deputado.

BR 364

O deputado cobrou ainda melhorias na BR 364 e denunciou o péssimo serviço que vem sendo prestado pelo Dnit. “Essa semana encontrei um conhecido deitado na BR 364 esperando atendimento depois de sofrer um acidente. A BR 364 está ficando intransitável, até carretas estão caindo nos buracos e o Dnit não faz uma manutenção. Parece que não fazemos parte do Brasil”, diz Follador.

Greve dos professores

Na oportunidade, o parlamentar falou também da greve dos professores e as consequências maléficas, que a mesma traz para os alunos, professores e pais. “Ontem participei de uma reunião com o governo e o Sintero, e a categoria saiu indignada com a proposta apresentada pela comissão. Esperamos que o governo faça um esforço para acabar com essa greve. Os alunos querem aula”, finaliza Adelino.

ALE/RO – DECOM – Laila Moraes