Rondônia - 22 de outubro de 2018
Home / Notícias / Religião / Estudos de Provérbios / Provérbios 19:18 – Castiga teu filho enquanto há esperança, mas para o matar não alçarás a tua alma.

Provérbios 19:18 – Castiga teu filho enquanto há esperança, mas para o matar não alçarás a tua alma.

Eduque o seu filho hoje: amanhã pode ser tarde demais. Não desperdice um único dia. Você não tem todo o tempo da vida. Eles crescem rapidamente e ultrapassam o período de serem treinados, e então eles se vão fora do seu controle. Os esforços para educá-los ou castigá-los só servirá para provocar a ira deles. Será tarde demais.

Deus os entregou a você indefesos e prontos para receberem instrução. Ele lhe deu apenas uma pequena abertura no tempo para treiná-los, abertura esta que rapidamente se fecha. Então você tem que orar pedindo um milagre, o qual Ele não prometeu realizar, considerando que você escolheu ignorar ou rejeitar a sabedoria Dele mais cedo em suas vidas.

O nosso provérbio registra dois pontos fortes. O treinamento e o castigo infantil devem ser exercidos cedo na vida, e devem ser aplicados sem consideração à dó ou aos apelos lacrimais.

Treinar uma criança não é uma opção; é um mandamento (Pv 22:6; Ef 6:4). Castigar uma criança não é uma opção; é um mandamento (Pv 23:13-14). Castigar é o reforço do treinamento.

Castigar. Para impor disciplina ou punição corretiva sobre; é visitar com aflição tendo com o objetivo do aperfeiçoamento moral; corrigir, disciplinar, punir.

A punição corretiva que Deus ensina é através do uso da vara (Pv 13:24; 22:15; 23:13-14; 29:15). Assim como os cavalos são treinados para correrem bastante com um chicote ou açoite; e como asnos, são mantidos sob controle e tornado úteis com freios; assim um tolo é corrigido de sua tolice pelo uso da vara (Pv 26:3; 10:13). Algumas chicotadas nas costas é um método de treinamento maravilhoso, como várias gerações americanas sóbrias podem testificar (Pv 19:29; 20:30).

Duas gerações negligenciaram o castigo e a juventude de hoje é dada ao orgulho, egoísmo, preguiça, rebelião e disfunção social. Comportamentos não permitidos há cinquenta anos em qualquer criança são atualmente consideradas normais. Padrões públicos, acadêmicos e de empregados precisam de correção frequente para acomodar uma geração indisciplinada.

Crianças, incluindo filhas, serão bem comportadas quando forem mais velhas, se as treinarmos enquanto forem jovens (Pv 22:15). Precisamos castiga-los a tempo – cedo na vida, enquanto houver esperança, antes de ser tarde demais (Pv 13:24). Caros pais, tenham um forte sentimento de urgência ainda hoje!

A tempo. Num tempo, período ou época, o mais cedo possível; no início do ano; no início da vida. Em bons tempos, no devido tempo; enquanto ainda haja tempo, antes que seja tarde demais.

A disciplina é o método de Deus para o treinamento dos seus filhos, visando uma vida piedosa e bem sucedida, mas isto deve ser feito bem cedo na vida. Se você espera demais, as crianças se tornam endurecidas pela rebelião, firmados em seus próprios pensamentos, formados nos seus próprios hábitos, ressentidos da correção corporal, e capazes de deixarem o lar e a viverem sozinhos. Como conhecemos a demora da punição civil, os corações dos homens se firmam na prática do mal (Ec 8:11).

Você precisa começar enquanto ainda são jovens, e mais tarde só serão necessários lembretes. A autodisciplina e o comportamento certo podem ser e precisam ser ensinados cedo. A cada ano de vida que se passa, se torna mais difícil mudar os hábitos e atitudes. Treine-os agora, enquanto são jovens. Disciplina consistente desde o início surtirá melhor efeito do que a frequente disciplina mais tarde. O mais cedo que você puder começar, menos se exige. Comece hoje!

O treinamento pode começar na infância, pois lemos que Ana entregou Samuel permanentemente aos sacerdotes em Siló imediatamente depois de desmamá-lo (ISm 1:24-28). Ele foi preparado para viver longe de casa, seguir instruções e adorar a Deus na mais tenra idade.

Devemos disciplinar cedo, e devemos disciplinar com severidade. Não deixe que as lágrimas e o choro deles os poupem, pois as crianças bem cedo descobrem que pedir, rogar, prometer, chorar e gritar enfraquece a determinação de disciplinar com severidade. Ignore as lágrimas agora para salvá-lo e você chorará, mais ainda, passado algum tempo. É uma dó ímpia que nos impede de praticarmos o nosso dever para a felicidade e o bem estar deles. A escolha de Eli de contemporizar com seus filhos trouxe infinitamente mais dor para ele e para toda a sua família do que qualquer dificuldade que teria em castigá-los. Considere isso!

Nenhum pai bom tem prazer em disciplinar o filho, pois ele preferiria muito mais estar abraçando-o carinhosamente e desfrutando da sua alegre companhia. Mas o objetivo de salvá-lo do inferno, em vida, deve movê-lo ao cumprimento do seu dever. O verdadeiro amor não é só abraços e beijos; o verdadeiro amor é correção; poupar a correção é ódio (Pv 13:24).

Se você poupar a vara, você odeia seu filho, pois você estará criando problemas futuros para ele; e esta escolha voltará para assombrar os pais (Pv 29:15). Davi escolheu poupar a vara em Adonias, e isto custou a vida do seu filho (IRs 1:6;2:23).

Exaltar a amizade com as crianças conduzirá a problemas, pois será difícil discipliná-lo com a consistência e a severidade necessária. Você precisa ser um pai em primeiro lugar e um amigo em segundo. Castigue-os enquanto novos e você produzirá descanso para a sua alma; rejeite a tentadora e momentânea facilidade enquanto são jovens, para que você possa ter descanso perpétuo depois, quando a disciplina aplicada ganhou o seu direito de descansar (Pv 29:17).

Se você tem filhos novos, hoje há esperança. Não planeje disciplinar mais tarde, pois nesse caso não haverá esperança. Se você foi negligente no passado, confesse todo o seu pecado a Deus e rogue a Ele por misericórdia pelas crianças que já ultrapassaram o ponto em que não há recuperação. Ele perdoa e pode com misericórdia ajudá-lo a recuperar a oportunidade perdida (Jl 2:25-27).

Nós somos filho de Deus por adoção através de Jesus Cristo (Gl 4:4-7), e ele prova o Seu amor nos corrigindo quando desobedecemos. Ele se compadece da nossa estrutura (Sl 103:13-14), mas Ele disciplina e açoita todo filho adotivo (Hb 12:6). Disciplinar revela o Seu amor, pois apenas bastardos são ignorados quando seguem os seus próprios caminhos (Hb 12:7-8). Se você recebe consequências dolorosas, em sua vida por causa de pecado, sejam elas internas ou externas, você saberá que é muito amado!