Rondônia - 19 de julho de 2018
Home / Notícias / Nordeste / Maranhão / Trabalhos no sistema Italuís seguem dentro do previsto; caminhões-pipa fazem abastecimento prioritário – Maranhão

Trabalhos no sistema Italuís seguem dentro do previsto; caminhões-pipa fazem abastecimento prioritário – Maranhão

imagem17-05-2018-00-05-31

imagem17-05-2018-00-05-32

Presidente da Caema acompanha os trabalhos. (Foto: Karlos Geromy)

Os trabalhos de interligação da nova adutora do sistema Italuís começaram nesta quarta-feira (16) e se mantêm dentro do cronograma previsto. As obras vão até o início da tarde deste sábado (19). A partir daí, o abastecimento vai começar a voltar de forma gradativa aos 600 mil moradores que são abastecidos pelo Italuis.

A água não vai retornar ao mesmo tempo em todas as casas, pois ela percorre um longo caminho para chegar às diferentes regiões da cidade. Há bairros mais altos, por exemplo, que vão levar mais algum tempo para receber o abastecimento de volta.

A interligação da nova adutora está sendo feita para colocar fim às interrupções frequentes no abastecimento em São Luís, além de aumentar em torno de 30% o fornecimento de água para os 159 bairros atendidos pelo Italuís.

“O cronograma está transcorrendo bem. No sábado, a partir do meio dia, esperamos já ter água em São Luís para atender a população”, disse o presidente da Companhia de Saneamento Ambiental (Caema), Carlos Rogério.

Caminhões-pipa

imagem17-05-2018-00-05-34

Caminhão-pipa da Caema faz abastecimento prioritário. (Foto: Gilson Teixeira)

Durante a quarta-feira, a Caema também colocou em circulação carros-pipa para levar água a alguns bairros, além de manter o abastecimento a pontos prioritários, como hospitais e postos de saúde.

Moradora da Rua Maria da Paz, no Sá Viana, Maria Lucia de Honorato diz que a água levada pelo caminhão-pipa ao bairro nessa quarta-feira ajudou a manter os cuidados com os dois netos que vivem com ela: “A Caema já veio aqui outras vezes trazer água no carro-pipa e gostei porque eu não vou ficar sem água”.

A Caema alerta, entretanto, que os caminhões-pipa não são suficientes para atender toda a população. O serviço apenas ameniza a falta de água em determinados bairros, em geral mais carentes. A água distribuída pelos veículos é para o consumo essencial.

Maria Cardoso, líder comunitária que está ajudando na distribuição para famílias do Sá Viana, diz que “tem muitas crianças e idosos, e são para essas pessoas que a gente vem trazer a água”.

“Sempre que tem essa oportunidade, a gente traz a água aqui para os moradores que são carentes de água”, acrescentou. “Na união de moradores, a gente já sabe quem são os mais carentes. Foram 25 mil litros distribuídos aqui hoje.”

O diretor de Operações da Caema, André dos Santos Paula, diz que a distribuição da água foi feita para diversos órgãos públicos e alguns bairros. “Percebemos uma colaboração muito grande por parte da população, que reservou água para este período”, afirmou. Isso levou mais eficiência na distribuição da água.

Os caminhões-pipas vão continuar circulando até que o abastecimento seja retomado.

Interligação

imagem17-05-2018-00-05-36

Trabalhos de interligação da nova adutora Italuís. (Foto: Karlos Geromy)

Entre as atividades já concluídas nessa quarta-feira para interligar a nova adutora, estão a o esgotamento da estrutura e a desmontagem da junta mecânica. Essa fase foi necessária para dar início ao acoplamento da peça que faz a conexão e à implantação da subestação elétrica da captação de água bruta.

“Estamos rigorosamente dentro do prazo”, afirmou o presidente da Caema. “Com essa intervenção, vamos conseguir confiabilidade operacional, além de termos incremento de 30% a mais de água para a população.”

Carlos Rogério explicou que a opção de não descartar a adutora antiga ocorreu por razões estratégicas e financeiras. Quando a nova adutora estiver funcionando, a antiga ficará parada. Mas ela pode voltar a funcionar em caso de manutenção futura no novo sistema, por exemplo.

Isso garante mais segurança para o abastecimento da cidade. De acordo com o presidente da Caema, não faria sentido abrir mão de uma estrutura que, embora precária por falta de investimentos nas últimas décadas, demandou grandes investimentos e pode operar em caso de necessidade.

Comentários

Comentários