Rondônia - 18 de junho de 2018
Home / Notícias / Esportes / Corinthians / Saiba os quatro motivos que fazem Andrés Sanchez bancar Osmar Loss no comando do Corinthians

Saiba os quatro motivos que fazem Andrés Sanchez bancar Osmar Loss no comando do Corinthians

2.7 mil
visualizações

57 comentários


Comunicar erro

Diretoria banca a permanência de Loss durante a parada da Copa do Mundo

Foto: Rodrigo Vessoni / Meu Timão

O desejo de Osmar Loss de poder treinar o Corinthians durante a parada da Copa do Mundo, com mais tempo para trabalhar com os jogadores no CT, será atendido por Andrés Sanchez. O Meu Timão apurou que a decisão de manter o treinador foi tomada no último fim de semana, antes mesmo dos duelos com Vitória e Bahia, que terminaram em empate e derrota, respectivamente.

Leia também:Pressionado, Osmar Loss diz o que pode melhorar no Corinthians após a CopaCorinthians na parada da Copa: meio da tabela e distante dos líderesInoperante, Corinthians leva gol no fim e perde do Bahia

Assim como analisou Tite após o revés para o Tolima-COL, Andrés não enxerga culpa em Loss pelo desempenho da equipe após a saída de Carille. Naquele início de 2011, o atual treinador da Seleção Brasileira havia comandado apenas oito vezes a equipe antes dos dois duelos pela pré-Libertadores.

“Se eu tirar o Tite, coloco quem? Uma coisa eu garanto: quem vier será igual ou pior do que ele”, afirmou Andrés, à época.

Uma pessoa próxima ao presidente do Timão enumerou alguns fatores que o fizeram tomar a decisão de não trocar Loss após sete partidas. O Meu Timão traz agora esses motivos, que garantirão ao jovem treinador a chance de colocar a equipe nos trilhos antes dos mata-matas da Copa do Brasil e da Libertadores, além do restante dos jogos do Brasileirão. Veja:

Oito jogadores importantes fora de combate

Esse é o principal fator para a decisão de Andrés, que enxerga um Corinthians completamente diferente com os retornos de Cássio e Fagner, que estão com a Seleção Brasileira, Balbuena e Romero, com o Paraguai, Jadson, lesionado, além de Ralf, Renê Júnior e Clayson que passaram por cirurgias. O presidente colocou na sua cabeça que a quantidade de desfalques não seria suplantada nem por Loss nem por Carille. Vale lembrar que alguns deles poderão deixar o clube na janela.

Comissão técnica em processo de larga reformulação

O técnico Fábio Carille foi para o Al-Wehda, da Arábia Saudita, e levou consigo Mauro da Silva (observador técnico), Leandro da Silva (auxiliar) e Walmir Cruz (preparador físico). Dyego Coelho, que era técnico no Sub-20, foi elevado à auxiliar de Osmar Loss na vaga de Leandro. O experiente Anselmo Sbragia, preparador físico com longa passagem pelo Palmeiras, também deixou o Sub-20 para trabalhar no profissional no lugar de Cruz. Alysson Marins, que era observador da base, assumiu a vaga de Mauro para análise de adversários e novas contratações. Isso sem falar na decisão de tirar o preparador físico Flávio Grava do profissional para supervisionar a base.

Volta da adrenalina em decisões

O Corinthians concluiu com sucesso três dos seus quatro objetivos no primeiro semestre: título estadual, vaga nas quartas da Copa do Brasil e vaga nas oitavas da Libertadores, ficando aquém apenas da meta de ficar entre os três ou quatro melhores colocados do Brasileirão. Um dos motivos para esse quarto objetivo não ter sido alcançado, na visão da diretoria, também foi a adrenalina baixa após a conquista das vagas nos mata-matas. O clima pré-Copa foi considerado vilão. A volta dessa adrenalina com tantas decisões que virão pela frente também é vista como positiva.

Chegada de reforços

A diretoria do Corinthians quer trazer reforços para o segundo semestre. As posições não foram faladas abertamente pelos dirigentes, mas um meia é visto como prioridade. A possibilidade de esses jogadores chegarem também é vista como um fator que ajudará Loss após a parada da Copa do Mundo. Andrés e sua diretoria ainda tentarão perder o menos possível. Maycon, já garantido, e Balbuena, deverão ser as perdas da janela de transferência.

Veja mais em:
Andrés Sanchez, Osmar Loss e Diretoria do Corinthians.