Rondônia - 15 de novembro de 2018
Home / Notícias / Política / Audiência avalia a violência obstétrica no Brasil

Audiência avalia a violência obstétrica no Brasil

Cleia Viana/Câmara dos deputados
Audiência Pública “Direito das mulheres à cidade”. Dep. Luizianne Lins (PT   CE)
Luizianne Lins: A mulher precisa de uma equipe que lhe garanta seus direitos, respeite sua autonomia e individualidad

A violência obstétrica é o tema da audiência que a Comissão Permanente Mista de Combate à Violência contra a Mulher realiza nesta quarta-feira (20).

A deputada Luizianne Lins (PT-CE), que pediu a realização do debate, explica que a violência obstétrica permeia o cotidiano das mulheres e se caracteriza pela apropriação do corpo e dos processos reprodutivos das mulheres pelos profissionais de saúde.

São consideradas violências obstétricas agressões físicas ou verbais; a negação de alívio para a dor; negação de atendimento ou deixar de informar algum procedimento que for realizado durante o parto.

“Todas essas atitudes e muitas outras decorrentes do atendimento e contato de profissionais e pacientes podem gerar diferentes reações na mulher, como rejeição ao corpo, temor às relações sexuais e nova gravidez.”

Debatedores
Foram convidados para discutir o assunto representantes do Ministério da Saúde, do Conselho Federal de Medicina, da Rede pela Humanização do Parto e Nascimento (Rehuna) e da Associação das Doulas do Distrito Federal, entre outros.

Confira a lista completa de convidados.

Participação popular
A audiência, que será interativa, está marcada para as 14h30, no plenário 13 da ala Alexandre Costa, no Senado. Os interessados poderão participar enviando perguntas, críticas e sugestões para o portal e-Cidadania ou pelo Alô Senado (0800 612211).