Rondônia - 22 de julho de 2018
Home / Notícias / Justiça / Acusados do duplo homicídio que vitimou o advogado Carlos Arthur e seu amigo Kenno vão a júri popular

Acusados do duplo homicídio que vitimou o advogado Carlos Arthur e seu amigo Kenno vão a júri popular

O Tribunal do Júri da Comarca de Jaru, julgou nesta segunda feira (09) Marcelo Vicente Celestino e Gilson Oliveira dos Santos acusados de envolvimento no duplo homicídio em que no dia 16 de Abril de 2016, vitimou o advogado Dr. Carlos Arthur Wanderbroock popular “Portuga” e seu amigo Alessandro Célia Rigato, o Kenno. (Relembre aqui). Marcelo Vicente, foi condenado a penas somadas de 38 anos de prisão, já Gilson Oliveira foi absolvido das acusações.
De acordo com a denúncia oferecida a Justiça, Marcelo pilotou a motocicleta utilizada no suporte do crime, e Gilson seria o autor dos disparos que teria como alvo a vítima Kenno, o advogado teria sido alvejado acidentalmente.
Em depoimento, Marcelo, declarou que Gilson, não teve participação alguma com o crime, afirmando que o atirador teria sido Fabiano Rosa da Silva, conhecido como Coyote, este por sua vez foi assassinado no final do mês de Junho do mesmo ano, quando seguia de motocicleta pela Rodovia RO-464, que liga Jaru à Theobroma (Relembre aqui).
Acrescentou ainda que Alex Ferreira de Souza, Alex Cowboy como era conhecido, não seria o mandante do duplo homicídio, trazendo em juízo que as motivações do crime eram suas, e ele teria agido em decorrência a problemas pessoais com Kenno “era matar ou morrer” afirmou.
Alex Cowboy, também foi morto. Ele foi executado em 28 de Janeiro de 2017, em uma emboscada próximo a fazenda Bom Futuro, Município de Seringueiras, (relembre aqui).

Após a manifestação dos jurados, ocorrido por volta das 17:00 horas desta segunda feira (09), o magistrado Muhammad Hijazi Zaglout, condenou o piloto da motocicleta Marcelo Vicente Celestino, a 20 anos de prisão pela morte de Alessandro, e 18 anos pela morte do Advogado Carlos Arthur, somando um total de 38 anos que deverão ser cumpridos inicialmente em regime fechado. Já Gilson Oliveira dos Santos foi isento das acusações e absolvido por falta de provas. A justiça entendeu que o finado Fabiano Rosa da Silva, “Coyote” seria o autor dos disparos contra Kenno e Portuga.

Fonte: Jaruonline