Rondônia - 25 de setembro de 2018
Home / Notícias / Política / Médicos e pacientes pedem mudanças no atendimento de pacientes com esclerose múltipla

Médicos e pacientes pedem mudanças no atendimento de pacientes com esclerose múltipla

Em audiência pública na Câmara nesta segunda-feira (13), médicos e pacientes alertam para a necessidade de alterações no protocolo de atendimento aos pacientes de esclerose múltipla no SUS.

Michel Jesus/Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre a importância da inovação nos tratamentos da Esclerose Múltipla para a melhoria da qualidade de vida dos pacientes
Médicos e pacientes pediram mudanças no protocolo de atendimento

Atualmente, dos oito medicamentos liberados pela Anvisa, seis estão disponíveis, porém o protocolo exige que o paciente seja tratado primeiro com os medicamentos de primeira linha, que têm menos efeitos colaterais, mesmo que não sejam os mais adequados para seu caso.

Para o neurologista e pesquisador Douglas Sato, é preciso mudar o protocolo para evitar a perda de tempo e garantir ao paciente o atendimento adequado desde o início do tratamento.

“Engessar o acesso a tratamentos que ele deveria ou poderia ter leva a um risco muito grande de incapacidade permanente ou de sequelas importantes. E tudo isso num jovem, que é geralmente o portador da esclerose múltipla”, disse.

O presidente da associação Amigos Múltiplos pela Esclerose, Gustavo San Martin, alerta para o problema da falta de medicamentos, que é recorrente e prejudica muito o paciente.

Segundo monitoramento da associação que começou em 2015, 17 mil pessoas retiram medicamento nas farmácias de alto custo e, deste total, 72% já relataram a falta do remédio em algum momento.

Gustavo San Martin ressaltou que como a esclerose não tem cura e acomete pacientes jovens, o acesso ao medicamento adequado é fundamental na garantia da qualidade de vida.

” Três anos atrás, eu não conseguia sentir meu lado esquerdo do corpo e hoje eu sinto. E eu só estou falando aqui com vocês de pé porque eu tive o tratamento adequado e o diagnóstico precoce.”

De acordo com o deputado Alan Rick (DEM-AC), a Comissão de Seguridade Social e Família vai realizar uma nova audiência pública, dessa vez com representantes da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec), que é a responsável pela adoção de novos medicamentos e mudanças no protocolo de doenças no Brasil.

“O Ministério da Saúde tem que atentar para o diagnóstico precoce e o medicamento adequado. Não se pode fazer o paciente usar medicamentos inferiores à situação que ele está vivendo por conta de protocolos do Ministério. Isso é enxugar gelo”, apontou o deputado.

O representante do Ministério da Saúde, Eduardo de Souza, explicou que os protocolos são revistos periodicamente e o dos pacientes de esclerose múltipla foi revisado em abril deste ano. Ele lembrou ainda que os medicamentos normalmente têm efeitos colaterais e por isso só são adotados no Brasil após terem sua segurança e eficácia comprovadas.