Rondônia - 13 de dezembro de 2018
Home / Notícias / destaque / Governo de Rondônia capacita profissionais da educação para atender alunos com transtorno do déficit de atenção com hiperatividade

Governo de Rondônia capacita profissionais da educação para atender alunos com transtorno do déficit de atenção com hiperatividade

imagem16-11-2018-20-11-16Professores poderão contar com aplicativo para diagnosticar Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade

A Superintendência do Estado para Resultados (EpR) vai capacitar professores da rede municipal de Porto Velho e da rede estadual nesta segunda-feira (19), às 7h30 no Hotel Rondon. O curso acontece em apoio a criação do aplicativo TDAHMENTE, que auxilia na identificação do Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) e terá profissionais especialistas do Rio de Janeiro.

O aplicativo foi criado para ajudar professores a diagnosticar crianças e adolescentes em sala de aula com o transtorno. “Se o aluno é desatento, se ele não consegue interagir e possui baixo rendimento. O professor vai detectar o TDAH e repassar para especialistas”, nos fala o coordenador do aplicativo Cleiton Araújo.

O aplicativo oferece recursos pedagógicos que podem ajudar no desenvolvimento cognitivo. Jogos e musicoterapia, são umas das ferramentas que pode auxiliar os professores quando é identificado o TDAH e aumentar o rendimento no desenvolvimento do aprendizado escolar.

De acordo com o coordenador do projeto, a rede de ensino de Rondônia não têm profissionais para trabalhar nessa área. “Esse projeto é importante, pois, cria um grupo de profissionais que vão disseminar essa ferramenta para todo o estado, além da grande parcela de relevância social”, fala Cleiton. Nessa primeira etapa, o projeto capacita um grupo de professores de educação especial e orientadores, mas em 2019, o projeto será ampliado para os demais municípios.

O projeto teve início por alunos do Instituto Estadual Carmela Dutra, com colaboração científica de professores da Universidade Federal de Rondônia (Unir) e da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Em parceria com a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) e Secretaria Municipal de Educação (Semed) o projeto alcança os primeiros professores.

Associação Brasileira do Déficit de Atenção (ABDA) também contribuiu para que fosse concretizado o app. Os idealizadores afirmam que o transtorno quando não é tratado corretamente traz prejuízo à aprenduzagem. Por isso a preocupação em capacitar profissionais da educação.