Hospital de Clínicas da Unicamp inaugura UTI pediátrica com 20 leitos | São Paulo

O reitor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Marcelo Knobel, e o superintendente do Hospital de Clínicas (HC) da instituição, Antonio Gonçalves Filho, entregaram as instalações da nova UTI Pediátrica da unidade, com 20 leitos, na última quarta-feira (17).

As obras para duplicar a capacidade começaram no ano passado e custaram R$ 3,4 milhões com recursos da reitoria da universidade. A Secretaria de Estado da Saúde assegurou recursos de R$ 8.952.840,45 por ano para o custeio dos dez novos leitos, incluindo insumos e contratações. Essa é a maior UTI pediátrica da região em capacidade e área, com 450 m².

Vale destacar que o aumento no número possibilitará mais internações de crianças e o crescimento de cirurgias eletivas, como as cardíacas pediátricas que terão leitos fixos. “A ampliação também ajudará nos problemas decorrentes das doenças sazonais, como as internações de crianças com quadros respiratórios graves, especialmente o vírus sincicial respiratório, durante o outono e inverno”, explica a chefe da enfermaria de pediatria, professora Terezinha Tresoldi.

Qualidade

Para o superintendente do HC, professor Antonio Gonçalves Filho, a nova área representa um salto de qualidade e segurança do paciente muito importante. “A configuração do espaço levou em conta muitos detalhes, como a humanização e o bem-estar de equipes, pacientes e acompanhantes, tornando o local mais eficiente e resolutivo”, salienta.

É a primeira vez que a área passa por reforma desde a construção do hospital, em 1985, e teve o objetivo dobrar o número de leitos de 10 para 20. Para a realização das obras, foi necessária a reforma de outra enfermaria que abrigou os 10 leitos até hoje. Essa é uma das maiores intervenções realizadas nos últimos 15 anos no espaço.

“A reforma consistiu na demolição total interna da UTI atual, para depois ser feita a reconstrução, levando em consideração o conceito atual arquitetônico, onde o posto de enfermagem fica localizado na área central e os leitos ao seu redor. Isso possibilita a visão em 360°, o que facilita o contato visual de cada paciente”, esclarece Sérgio Lacerda, engenheiro e diretor da Divisão de Engenharia e Manutenção (DEM) do HC.