Rondônia - 18 de novembro de 2018
Home / Notícias / Norte / Rondônia / Ariquemes / Proprietária de UTI vai fazer greve de fome por não saber motivos de paralisação

Proprietária de UTI vai fazer greve de fome por não saber motivos de paralisação

Em entrevista ao Canal 35, a proprietária da Clínica da Criança de Ariquemes, Luciane Berti, que até dia 30 de dezembro prestava serviços ao Governo de Rondônia para manter a UTI neonatal funcionando na cidade, afirma que não sabe os motivos da paralisação e que a partir do dia 06 de janeiro iniciará uma greve de fome em forma de protesto ao ato da Secretaria de Estado de Saúde, ao seguir uma recomendação do Ministério Público de Rondônia. A greve só cessaria com uma explicação sobre a paralisação.

Caro Leitor, para compreender detalhadamente a situação, solicitamos a leitura da Recomendação do Ministério Público. Atente-se ao fatos e aos detalhes apontados pela promotoria, que é um importante órgão na defesa dos direitos do cidadão. Clique aqui para ler o documento Recomendação Clínica da Criança.

Segue a entrevista da médica proprietária da Clínica:

Ainda nas redes sociais, a doutora postou documento sanitário que comprova que a situação atual do Alvará Sanitário (clique aqui e veja), cuja a validade seria até 31 de outubro de 2015.

Segundo a empresária, esta é a única UTI neonatal de todo o interior de Rondônia, fato que coloca municípios do Cone Sul em situação muito pior que Ariquemes. Uma vez que o município somente necessita de 200 km de deslocamento até a Capital.

A redação de Folha Nobre investiga a situação do atendimento de UTI neonatal nos demais municípios rondonienses. Se conforme a afirmação da médica os demais 50 municípios do interior não teriam este serviço, se toda a demanda do interior era absorvida por Ariquemes, ou se os mais distantes necessitam também se deslocar para Porto Velho, sendo assim, possuímos um problema muito maior que em nosso umbigo e o foco talvez esteja sendo desviado.

Apesar de criticados veementemente por pessoas possivelmente ligadas a clínica, por fazermos uma análise dura sobre a situação, assim como toda a sociedade, lamentamos a paralisação deste serviço, ressaltando que Folha Nobre quer o melhor para esta cidade, por isso a preocupação juntamente com os órgãos de controle com a situação ora desencadeada.

Da Redação – Folha Nobre